Sobre o Inumeráveis

Agostinho Rodrigues Samias

1936 - 2020

Guardião da língua do seu povo, tinha o sonho de fazer um dicionário indígena Kokama.

Vovô Ereu, como era conhecido por todos, gostava de plantar, de colher e depois fazer farinha. Era um bom feitor de farinha. Nas reuniões que aconteciam na aldeia, ele fazia para os adultos uma bebida fermentada da mandioca, a caiçuma, e para as crianças a mandioca se transformava em um delicioso doce. Assim colocava em prática seu prazer de ver todos juntos.

Vovô sabia usar as palavras, era conselheiro e contador de histórias. Contava causos, como o dia em que lutou com um jacaré de 5 metros. Ele venceu, claro e seguiu hipnotizando a todos com suas histórias na floresta. Mas ele queria ir além, tinha o sonho de fazer um dicionário da língua kokama e mais: queria vê-lo impresso e sendo disseminado pelo mundo.

Cabia no vovô ser um guardião das palavras, mas cabia também esse grande sonho de vê-las pelo mundo, sendo lida por todos.

Sobre o povo Kokama
O povo Kokama-kokamira habita a Amazônia há mais de 2 mil anos. Hoje estão espalhados pela tríplice fronteira ocupando, no Brasil, a região do alto rio Solimões, com população de cerca de 10.000 pessoas. Além do português, falam a língua originária, kokama, que vem sendo ensinada também como forma de preservação e resistência de sua cultura.

História na língua original Kokama
AUKUTSTINIO TSAMIA (EREU).
Taɨra RUITS TSAMIA e EMIRIA TSAMIA
Uwaritsuika 15/08/1936
Uwari Ritama Tapɨya Aterepan – PENJAMIN KONTSTANTSHKA -AM.
Umanui 29/04/2020, (83) putsa chunka mutsapɨrɨka wata.
Umanu TSUNTARUN HOTSPITAU TAWATINI – HGUT (TSHT) Tawatini-AM, kanuparita umanu “COVID - CHUNKA ITSKUN”

Erukuawara kumitsa ra ritama, emete tsapichi yauki wepe kuatiaran tratutor tapɨya Kukamɨe.
Amui chira Ereu, mania chirapu ikuaui upi, ikua eyu mɨtɨma kupe, raepetsui tsakapɨrɨ e ukuki ui.
Era wepe yaukiwara ui. Yatɨrɨkankuara ukuata ikian ritama, ra yauki umi ikiaka tuankana wepe kuratan tsain yawiri, kaitsuma, e ɨkɨratsen yawiri uwakata wepe chapuni erapaka. Yanuka tseta ikua iwaruta umipa epe yatɨrɨtaka uyari. Amui kua kumitsana, ra kunashikawara ra ɨmɨntsarawara ɨmɨntsarayarakana. Ra ɨmɨntsarayara, mania kuarachi inupaka wepe yakari pichka metrura. Ra inupawɨrɨ yakari e utsu hipnotiy+antushka epe ra ɨmɨntsarayaran ɨwɨratikuara. Ra tseta utsu amatupakuara mira, ra emete tsapichi pupe wepe kuatiaran Titsionarioshka Kumitsa Kukamɨe e ikiaka: ra tseta umi impretsushka e kumparti Ra ɨmɨntsarayara ra ukuapura, ɨmɨnan awakana ɨmɨntsarayara: maniawa awakana yapuni katupetsuri ikian tuyukari inu chitatsen, ini papa ɨwatin epeyunan memɨrata wepe kuniatitsuri. yatsu awakana yupuni chitatsen iruataka chiraminu muntu.

Ra amui wepe kuartianshka kumitsakana, ra amui riay umi muntu, reashka epe.

Aukutstinio Tsamia (Ereu) uwari ritama Aterepan, Tawatini – AM e umanutai Tawatini, (84) putsa chunka iruaka wata, umanu Kurunavirushka.

Agostinho nasceu em Benjamin Constant (AM) e faleceu em Tabatinga (AM), aos 84 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pelo neto de Agostinho, Ediney Samias. Este texto foi apurado e escrito por Jornalista Gabriela Veiga, revisado por Lígia Franzin e moderado por Gabriela Veiga em 16 de junho de 2020.