Sobre o Inumeráveis

Alice Maria Goulart de Morais

1950 - 2020

Eterna educadora, amante da vida e do samba.

Alicinha, como era carinhosamente chamada pelos mais próximos, era o espelho, o alicerce da família e dos amigos. "Você precisa levantar a cabeça e seguir em frente" foi uma das frases mais ditas por ela ao longo dos seus 70 anos muito bem vividos. Alicinha era o gás, era a energia que movia as pessoas.

Na infância, o gosto pelo doce quindim — que ela chamava de "tinguim" — lhe rendeu o apelido "Tinga", todos os primos chamavam-na de "Tinguinha".

Alice era como a canção de seu ídolo no samba, Alcione, a Marrom — "Não deixe o samba morrer; não deixe o samba acabar..." —, e a eterna Clara Nunes — "Morena de Angola que leva o chocalho amarrado na canela; será que ela mexe o chocalho ou o chocalho é que mexe com ela..."

Assim era a carnavalesca e coordenadora cultural do Bloco do Funil, presidido por Leo Vasconcelos, seu companheiro, amigo e esposo. "A mãe gostava disso, gostava de um samba. Chegava na casa dela, estava ela lá, com a TV ligada no canal de 'Samba Raiz'", lembra, com carinho, Lindolfo de Morais, filho único da "Gorda", como ele a chamava.

Pessoa conhecida em Alegrete, onde morou a vida toda, foi professora de Língua Portuguesa. Cumpriu seu papel com maestria por mais de 30 anos. Dedicou praticamente toda sua vida à educação de crianças e adolescentes. Além da sala de aula, cursou Pedagogia e atuou na coordenação do Serviço de Orientação Educacional (SOE).

Já aposentada, foi juíza leiga no Tribunal de Medição e Arbitragem na sua cidade. "O sonho dela era se formar em Direito. Chegou a cursar na juventude, em Santa Maria, mas abandonou o curso para se dedicar à Pedagogia, atendendo ao desejo dos pais", conta Lindolfo.

Com o coração ainda apertado, mas imensamente feliz por resgatar, na memória, lembranças de uma mulher que foi espelho para tantas pessoas, o filho se lembra de Alicinha com muito carinho: "Minha mãe era alegria, era vida", diz Lindolfo, que fica orgulhoso toda vez que alguém se refere a ele como "o filho da dona Alice". "O único defeito dela era ser gremista", dispara, sorrindo.

Junto de Leo Vasconcellos, o Leozinho, Alice viveu 19 anos de companheirismo, carinho, respeito e cumplicidade. "Acredito que era um amor da juventude. Saber que o Leozinho estava junto dela me trazia tranquilidade e confiança. Eu sabia que tinha sempre alguém cuidando dela para mim. Foi ele que esteve do lado dela, nos últimos dias. Devo muito a ele", conta Lindolfo, emocionado.

Além de Leo e de Lindolfo, Alicinha também deixou muita saudade no coração da nora Otilia Gomes de Andrade e da única neta, Maria Eduarda Gomes de Andrade de Morais, acadêmica de Odontologia que não terá a avó em sua formatura.

"Não adianta lermos as vidas das pessoas, se cada um não fizer sua parte contra esse vírus. Ele está tirando o melhor de cada um de nós, que são as pessoas que amamos", finaliza Lindolfo, agradecendo a oportunidade de dizer quem foi sua mãe.

Alice nasceu em Alegrete (RS) e faleceu em Santa Maria (RS), aos 70 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pelo filho de Alice, Lindolfo de Morais. Este texto foi apurado e escrito por Jornalista Thaís Lauck, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 22 de junho de 2020.