Sobre o Inumeráveis

Damião Paes de Melo

1964 - 2020

O cartão de visita de Damião era o sorriso e coração bondoso.

Honesto, trabalhador e com um coração puro, Didi, como era conhecido por todos, andava sempre sorrindo e via bondade em todas as pessoas e situações de sua vida. Saiu do sertão pernambucano, aos 18 anos com a família, em busca de uma vida melhor e migrou para São Paulo, onde se estabeleceu como motorista de lotação.
Foi em um dos muitos ônibus que ele dirigiu que conheceu o seu grande amor, Cristina. Foi amor à primeira vista. A partir desse dia, os dois nunca mais se separaram, Didi não escondia de ninguém a sua paixão, mostrava a todos o seu “Amor”, forma como ele sempre se referia à esposa. Com ela, teve dois filhos e montou o próprio negócio.

Como pastor evangélico, transmitiu a religião aos filhos. Ele tinha como ideal amar a Deus sobre todas as coisas e priorizar sempre a família, exemplo esse que ele de fato conseguiu pôr em prática em todos os momentos de sua vida. Nunca ficou um só dia longe da esposa, a não quando era extremamente necessário, e esteve presente na vida de seus filhos, tanto em casa como em eventos escolares até o batismo, que teve a honra de realizar.
Tinha muito orgulho do seu trabalho e de tudo que conquistou com ele. Não tinha vergonha de que as pessoas vissem suas mãos e roupas sujas de graxa. “As pessoas precisam saber que eu estou trabalhando”, ele sempre dizia à mulher. Quando chegava em casa após o dia na oficina, se dirigia à cozinha para preparar sua refeição predileta: Cuscuz. Essa era sua comida preferida.
Ele passava o seu tempo livre com a família, lendo a Bíblia e ouvindo música gospel e caipira, os seus gêneros preferidos. Didi se preocupava muito com sua saúde e praticava caminhada duas vezes por dia.

Interessado no bem-estar de todos, não poupava esforços para ajudar sempre que podia. Cuidava como ninguém dos seus familiares, dos sogros, dos cunhados e dos sobrinhos, que nutriam por ele uma verdadeira paixão. Sua alegria e a pureza de coração conquistavam todos ao seu redor.

Amante da natureza e dos animais, sonhava em se aposentar e se mudar para um sítio no interior, onde poderia cultivar plantas e cuidar de seus animais, que eram seus companheiros de todos os momentos. Ele e seu cachorro Oliveira eram melhores amigos e nunca se desgrudavam.

Hoje, Oliveira, a esposa Cristina e os filhos Vicenzo e Mábile sentem imensamente a falta que Damião deixou.

-

"O único e grande amor da minha vida, meu eterno namorado e esposo. Foram 19 anos de união", relembra a esposa Cristina.

Damião, mais conhecido como Didi, era, nas palavras dela, "súper amoroso, companheiro e carinhoso", além de ser um pai exemplar para os seus dois filhos: Vicenzo e Mabily.

Trabalhador e muito esforçado, tinha o sonho de morar em um sítio onde pudesse "criar bichos e viver na natureza até o fim dos seus dias".

Cristina conta que todas as tardes, quando chegava do trabalho, ele fazia questão de levar o seu cão, o seu melhor amigo, para passear.

Era um pastor e amava a Deus sobre todas as coisas. A família era o seu porto seguro e sua prioridade. "Antes de falecer, as enfermeiras me disseram que ele só falava em mim e nos nossos filhos", ela prossegue.

Didi tinha saúde de ferro e, com ela, pôde aproveitar os seus 19 anos de união com sua esposa e os filhos. Deixou o seu legado, que será perpetuado pelas pessoas que sempre o amaram e que, agora, lhe fazem esta homenagem.

Damião nasceu em Caetés (PE) e faleceu em São Paulo (SP), aos 55 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pela esposa e pela amiga de Damião, Cristina Melo. Este texto foi apurado e escrito por Jornalista Vitória Maria Faria Lelis Duarte e Vitória Maria Faria Lelis Duarte, revisado por Fernanda Gmeiner e Otacílio Nunes e moderado por Rayane Urani em 23 de agosto de 2020.