Sobre o Inumeráveis

Iracy de Souza

1934 - 2020

Descrevia o tempo toda manhã no grupo da família em inesquecíveis áudios iniciados com um vibrante bom dia!

Era o sétimo dos nove filhos de uma família composta por descendentes de portugueses e índios, todos com belos nomes em homenagem aos ancestrais: Dila, Ina, Jacirema, Irapuam, Alda, Ary, Iracy, Iara e Ubirajara.

Proveniente de família grande, seu apelido de infância era Cinho. Para implicar com ele, uma das irmãs o chamava carinhosamente de "ossinho de cachorro".

Ainda jovem conheceu o amor de sua vida, Laura, e com ela logo se casou. Viveram quarenta e seis felizes anos, gerando um casal de filhos criados com muito amor e dedicação, e tiveram o privilégio de conhecer três netos e duas bisnetas, constituindo uma família doce e harmoniosa.

Chamado de Souza pelas sobrinhas, é lembrado por gostar de almoçar cedo e ser bastante vaidoso, porém o que os familiares jamais esquecerão são seus áudios no grupo da família no aplicativo de mensagens, que começava com um sonoro "Bom dia, família!" e logo emendava: "O tempo por aqui está assim e assado. Estão todos bem, a saúde está boa?", com seu singular tom de voz descrevendo o tempo e avisando se viria frente fria. Agora essas mensagens deixam os corações aquecidos de sua presença mesmo na ausência.

Depois de aposentado, Iracy realizou o sonho de viver na beira da praia e escolheu Sepetiba, bairro do Rio de Janeiro, para desfrutar da vida comendo o que apreciava, assistindo a novelas e fazendo caminhadas acompanhado de sua gatinha frajola, chamada Antoninha.

Morador antigo da região, por onde passava era conhecido pela vizinhança e amigos, com quem, junto da família, gostava de comemorar os aniversários com churrasco na piscina.

A família que tanto o amou hoje vive das boas memórias contadas pelos irmãos, filhos, sobrinhos e netos, fazendo com que a existência de Iracy se eternize em seus corações.

Iracy nasceu no Rio de Janeiro (RJ) e faleceu no Rio de Janeiro (RJ), aos 86 anos, vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado pelas sobrinhas de Iracy, Renata e Leila, pela filha Maria Angélica e pelo neto Tiago. Este tributo foi apurado por Rayane Urani, editado por Karina Zeferino, revisado por Paola Mariz e moderado por Rayane Urani em 28 de maio de 2021.