Sobre o Inumeráveis

José Augusto Hart Madureira Filho

1955 - 2020

Médico, pesquisador e pai, para quem a bondade e o amor ao próximo norteavam sua trajetória.

Zé, Lelé, Doutor e Papai, era assim que muitos o chamavam.

"Sua maior mania era nos ligar pela manhã, bem cedo, para saber como estávamos e, assim nos acordar com sua voz doce que encantava nossos ouvidos", conta o filho Nino.

José Augusto era médico, na verdade, era um grande médico. Era também pesquisador da UNICAMP e atendia pacientes no Pronto Atendimento Anchieta, no Hospital da UNICAMP e em alguns outros locais.

Escondido da família, Zé fugiu do interior de Minas Gerais em um caminhão, para estudar em Salvador. "Que homem fantástico! Deixava de ir às comemorações com os seus para que os outros pudessem ter suas próprias celebrações em família".

Os filhos eram sua vida e sua inspiração diária. Ele teve seis!

O Zé, Lelé, Doutor e Papai batalhou desde o início, nunca desistiu. Ao ser acometido pela Covid-19, sempre que conseguia e encontrava forças, fazia questão de mandar recados aos filhos, mesmo de dentro da UTI.

Deixará saudades, mas cumpriu sua missão na Terra: cuidou do próximo da melhor maneira possível.

-

Excelente médico, dedicou-se a salvar vidas. Era forte e companheiro.

José Augusto era filho de médico e advogada e, até seus 16 anos, viveu com a família em Teófilo Otoni. Aos 16, partiu rumo a Salvador ─ queria ser médico como o pai.

Após muito esforço e dedicando-se paralelamente ao trabalho e aos estudos, teve uma fase dura na capital baiana, mas seu sonho era maior que os percalços encontrados para entrar e seguir na faculdade.

Em seu primeiro casamento, ainda em Salvador, José Augusto teve três filhos. Em meados de 1995, já atuando na cidade paulista de Campinas, casou-se novamente e a união deu a ele mais dois rebentos. Anos mais tarde, após sua separação, em um retorno a Teófilo Otoni, iniciou-se um relacionamento com a mãe de seu sexto filho.

José Augusto sempre trabalhou muito como médico emergencista, ginecologista e médico da família. Era muito competente e querido por todos.

Dagmar conta: “Ele era uma pessoa alegre, amava a chácara onde morávamos, adorava acumular tesouros, pequenos objetos, cristais, botas, cintos, celas, amava cavalos e até tinha uns de raça.”

Por conta das “pontes e estradas engarrafadas”, como ele mesmo se referia ao diagnóstico passado por seu cardiologista, José Augusto precisou de uma cirurgia cardíaca. Ficou internado por doze dias e a intervenção foi perfeita. Voltou para casa com cuidados redobrados e cumprindo o distanciamento social. Mesmo assim, provavelmente em um dos retornos necessários do pós-operatório, foi contaminado pelo novo coronavírus.

“Apesar de tudo, sempre estava com o sorriso no rosto e fazendo piadas de tudo e de todos. Viajávamos sempre, ele adorava Águas de Lindóia, conheceu Campos de Jordão, Águas de São Pedro, Santos... Ah, quis conhecer também minha cidade natal, Campo do Meio, no sul de Minas Gerais. Gostou tanto do sossego que queria retornar para lá, assim como para Águas de Lindóia, mas os planos para uma viagem em agosto de 2020 foram suspensos por conta da pandemia”, relembra Dagmar.

José foi um herói que por trinta e cinco anos salvou vidas. Um médico espetacular, Dagmar conta que foram muitos depoimentos de pacientes e familiares agradecidos pelas vidas que o doutor salvou.

“Por seis anos, convivi com uma pessoa simples e que amava roça, animais, seus objetos de estimação... um piadista que adorava comer uma boa carne e aos sábados, uma dose de whisky, música sertaneja raiz, Freddie Mercury e John Cocker... Meu Deus, quanta saudade!”, lamenta a companheira e conclui:

“O dia de sua partida foi o dia mais difícil da minha vida, mas juntos vivemos felizes. Apenas peço a Deus que ele esteja em um bom lugar, feliz e olhando por todos nós.”

José nasceu em Aguaí (BA) e faleceu em Campinas (SP), aos 65 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pelo filho e pela esposa de José, Nino Taroni Hart Madureira e Dagmar Cardoso. Este texto foi apurado e escrito por Lígia Franzin, revisado por Luana Bernardes Maciel e moderado por Rayane Urani em 23 de janeiro de 2021.