Sobre o Inumeráveis

Lúcio Fernandes Teles da Costa

1955 - 2020

"Alô, Manaus!", dizia ele a todos os amigos que chegavam no seu boteco.

Devoto de Nossa Senhora Aparecida, "seu Fernando" era a personificação do amor cristão. Jamais mediu esforços para ajudar os que batiam em sua porta; não à toa, era uma pessoa muito querida no conjunto onde morava.

De bingos, aos churrascos e às feijoadas, seu Fernando fazia questão de reunir os companheiros e organizar eventos beneficentes. Ao invés de se vangloriar por assumir a liderança dos eventos, fazia questão de outra coisa: reconhecer a dedicação e a contribuição dos demais companheiros, em detrimento de seu próprio esforço. Com brilho no olhar, adorava dizer que os companheiros deram o seu melhor e fizeram o possível para ajudar.

Era aposentado e tinha um boteco, conhecido como "Boteco do Fernando". Esse era o único bem material com o qual se importava, justamente por ser um ponto de encontro dos amigos e companheiros do conjunto.

Jamais perdeu a fé em São Jorge, seu santo protetor. Sempre agradecia ao santo pelos momentos ao lado da esposa Teka, da família e dos amigos. Ligar para os filhos, perguntando o queriam comer no almoço de domingo, já era costume dele, pois fazia questão da presença de todos para aproveitar o delicioso banquete da dona Teka, preparado sempre com muito amor e carinho.

No final da tarde, quando os filhos estavam voltando para seus lares, ele costumava dizer: “Vai porque quer, falta de carinho não é”. E, realmente, não era!

Seu Fernando não se importava com bens materiais: gostava mesmo era da presença da família e dos amigos, da alegria que sentia ao dançar um bolero com a dona Teka, e da oportunidade de comemorar mais um ano de vida das pessoas que amava. Adorava festejar o aniversário da esposa, dos seis filhos e dos 11 netos e 3 bisnetos. Aproveitava e o seu também, mas não tanto quanto os aniversários do restante da família.

Tinha amor e carinho para dar e vender.

Assim era o seu Fernando.

Lúcio nasceu em Belém (PA) e faleceu em Manaus (AM), aos 65 anos, vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado pela filha de Lúcio, Ana Deizy Nogueira. Este tributo foi apurado por Ricardo Pinheiro, editado por Letícia Fortes, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 20 de junho de 2020.