Sobre o Inumeráveis

Marcello Bittencourt

1952 - 2020

Marcello possuía uma densidade tal, que transformava o espaço tempo à sua volta.

A Covid-19 o levou o queridão. "Ele era amigo dos meus pais desde que nasci, um amado. Ia em casa sempre, nos rolês todos do meu pai e da minha mãe e quando entrei na ECA, cruzava com ele quase todo dia, porque ele era diretor da rádio USP. O Ric (amigo dele e do meu pai) disse que com os óclinhos redondos que ele usava parecia um bicho grilo saído das tirinhas do Angeli. Eu ousaria dizer: uma mistura de Rê Bordosa com Obelix, caído num pote de poção de amor e carinho, porque juro, ele era muuuuuito doce e querido." Inteligentíssimo, engraçado e de sacadas geniais, comandou o Biblioteca Sonora na Rádio USP, um programa dedicado à literatura, por anos. "Vou sentir saudade da voz rouca dele me chamando de “paulinha”."

Amiga e jornalista, Paula Sacchetta.

Marcello era radialista, mestre em Rádio pela ECAUSP. Por três décadas deixou seu DNA na Rádio USP 93,7, ou melhor a Rádio ficou com seu DNA, inclusive no período em que foi Diretor da Emissora. Com certeza lá tudo será AMB e DMB, antes e depois de Marcello Bittencourt. Como pessoa era exigente com o trabalho, generoso com os outros, carinhoso com os amigos, tudo isto com uma fina ironia que nos mantinha sempre alerta. A sua química pessoal na criação dos programas servia de base adquirida na Sociologia, depurada pelo trabalho nas grandes editoras de livros por que passou e é claro, verticalizada pelo Mestrado em Rádio na ECA. Porém, o seu tempero mais peculiar era a sagacidade adquirida pelo sem número de livros, shows, espetáculos teatrais, discos, viagens internacionais e um inestimável amor e saber pelo meio do rádio. Tudo catalisado pelo gosto e convívio com amigos criativos que rendiam noites de conversas que iam do futebol, ao político, até à colonização de Marte. Marcello possuía uma densidade tal, que transformava o espaço tempo à sua volta.

Irmão de coração, Wagner de Paula.

Marcello nasceu São Paulo e faleceu São Paulo, aos 68 anos, vítima do novo coronavírus.

História revisada por Rayane Urani, a partir do testemunho enviado por amigos Paula e Wagner, em 1 de maio de 2020.