Sobre o Inumeráveis

Raimundo Nonato de Castro

1923 - 2020

Deixou ensinamentos para os familiares e um legado de liderança e humildade em toda região de Belém, no Pará.

Homem de fé, carinhoso e exemplo de honestidade, perpetuou ensinamentos por onde passava. Não tem quem não conheça o cofundador da Guarda de Nossa Senhora de Nazaré.

O "Irmão Nonato", como era mais conhecido, era um fervoroso atuante da Igreja Católica. Cultivava uma espiritualidade única, levando amor, esperança e fé para quem precisava de uma palavra amiga. Foi um homem de luz, que com gestos simples, levou reflexão e novas perspectivas para a vida das pessoas.

O avô Nonato também foi um integrante especial para a família. Exemplo de força e determinação, começou a trabalhar aos 16 anos. O mundo foi pequeno para sua garra e força de vontade: atuou como "office boy", se formou como advogado e serviu como ex-combatente na Segunda Guerra Mundial, entre outras tantas ocupações.

A neta Mariana lembra que ele a ensinou a andar de bicicleta, a nadar e ainda lhe contava histórias para dormir. “Meu avô foi meu pai”, comenta. As netas herdaram dele, que foi um herói para elas, os ensinamentos de princípios morais e espirituais, construindo uma trajetória baseada no amor e na humildade que o avô cultivava.

Leitor assíduo de livros, dividia seu conhecimento com todos “Lia muito, era uma enciclopédia!”, diz Mariana.

Para a esposa, foi mais que um marido fiel, foi amigo e companheiro. Trocavam cartas quando estavam distantes. Quando ela morreu, ele manteve o hábito que tinha de quando ela ainda estava viva: todo dia colocava uma rosa dentro do copo com água, em frente à foto dela.

“A minha idade é a minha capacidade de fazer as coisas. Se Deus me permitir, eu quero chegar aos 90 anos e continuar fazendo o que eu faço há tantos anos, que é zelar pela nossa Mãe.” — Irmão Nonato, em 2012, em uma reunião da Guarda de Nazaré.

Raimundo nasceu em Belém (PA) e faleceu em Belém (PA), aos 96 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pela neta de Raimundo, Mariana. Este texto foi apurado e escrito por Eulália Vieira, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 20 de junho de 2020.