Sobre o Inumeráveis

Ronnie Jerry Pereira dos Santos

1967 - 2020

Cheio de manias, seu coração rubro-negro vibrava ao ouvir as músicas do Raça Negra.

Roninho, como gostava de ser chamado, teve uma infância difícil. Seu pai foi para o garimpo quando ele ainda era uma criança, e ele tinha sete irmãos para cuidar. Havia noites, que chegava com bonecas para suas irmãs mais novas.

Fazia disso sua inspiração para trabalhar. Já foi pescador, guarda municipal e até padeiro, é mais fácil perguntar o que ele não fez em vida.

Tinha um amor incondicional pela mãe, que apelidou carinhosamente de “Neném”. Com sua moto, ia vê-la todos os dias, chegava sempre com seu sorriso reconhecível, porque ia de uma orelha a outra. Ia extremamente alegre, dançando para fazer uma graça à mulher que tanto lhe ensinou.

Um homem prestativo, que dava tudo por seus netos. A doçura e a gentileza das crianças encantavam Roninho.

Seu amor pelo Mengão é digno de ser contado em prosa, pois se pudesse, teria a casa pintada de Flamengo. Tinha camisa, cordão e tudo que um bom torcedor tem direito. Às vezes, colocava o hino do time bem alto na caixinha de som, para bagunçar com os vizinhos.

Sabia todas as frases do cantor Luiz Carlos, do Raça Negra.

Nas memórias da sobrinha Sandy, tem uma em especial: “Lembro-me de uma festa de família, era o Dia das Mães e ele até matou um de seus bois para todos comerem. Estavam todos reunidos no quintal da minha avó. Então ele pegou o microfone e virou o mestre de cerimônia. Sua risada era conhecida por todos. Antes do almoço, na hora em que todos estavam tirando fotos, ele começou a dançar com os dedos para cima, como se estivesse no carnaval.”

Antes de falecer, chamou a mãe pela última vez, mas de modo especial trocou o “Neném” por “Mamãe”.

E assim, lembrando de toda a alegria proporcionada por Ronnie, a família se despede, na dor de não poder ouvi-lo cantando uma música do Raça Negra novamente.

Ronnie nasceu em Juriti (PA) e faleceu em Juriti (PA), aos 52 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pela sobrinha de Ronnie, Sandy. Este texto foi apurado e escrito por Ygor Expedito Gonçalves, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 18 de julho de 2020.