Sobre o Inumeráveis

Rosa Paschoal Cardoso

1946 - 2020

Solidária e amorosa, foi uma linda flor no jardim da vida de muitas pessoas.

“Uma mulher que jamais negava ajuda a quem quer que fosse, impactando a vida de muitos que tiveram a sorte de cruzar o seu caminho”, assim a filha Regina descreve Rosa. Ela conta que a mãe nunca teve muito, mas dividia o pouco que possuía: “Não media os riscos para fazer o bem. Já levou para tomar banho em sua casa, e alimentar, pessoas em situação de rua e viciados”. A filha explica que o amor que a mãe tinha pelo ser humano superava qualquer medo de se aproximar para ajudar nos momentos de necessidade.

Mulher guerreira, sofreu a terrível dor de perder uma filha ainda bebê. Um ano depois, ficou viúva e com três outras filhas para criar, mas não mediu esforços para que nada lhes faltasse. Casou-se uma segunda vez e teve mais dois filhos. Separou-se e agora eram cinco bocas para alimentar e cuidar. “Ela nunca teve medo de trabalhar. Enfrentou serviços pesados que muitos homens não aguentariam, mas ela aguentava firme por amor a seus filhos. E foi com esse mesmo amor que ela viveu todos os anos de sua vida”, diz Regina.

O último trabalho de Rosa havia sido como servente na Prefeitura do Rio de Janeiro, função pela qual se aposentou: “Trabalhando e morando em uma escola, ela fez parte da vida de muitas crianças e de seus pais, e tinha sempre uma palavra amiga, carinhosa ou de conforto, para cada um deles”, relata a filha.

Rosa enfrentou também um câncer que a obrigou a retirar a mama esquerda, mas nem a doença nem os sofrimentos pelos quais passou foram motivos para que ela desistisse da vida: “Lutou contra a doença e se curou, sempre com muita fé em Deus e determinação”, afirma Regina.

Mesmo com uma trajetória de vida marcada por tantas dificuldades, Regina conta que a mãe em nenhum momento perdeu a ternura e a generosidade: “Ela foi realmente uma mulher de muita garra e repleta de amor. Perfeita? Claro que não! Como todo ser humano, tinha suas falhas, mas sua bondade e todo o afeto que sentia e demonstrava superavam todas elas”.

“Foi isso que o Covid-19 nos tirou, o amor em sua forma mais linda, a de uma Rosa que alegrava e perfumava a vida de tanta gente”, lamenta Regina. Entretanto, ela busca conforto no que destaca como sendo o mais importante legado deixado por Rosa para os filhos, netos, bisnetos e para todos que tiveram o privilégio de conviver com ela: “O ensinamento - através do exemplo - da importância do amor incondicional”. E conclui afirmando que Rosa “foi o símbolo do amor em sua forma mais simples, deixando a saudade de quem amou e foi amada”.

Rosa nasceu em Cachoeiro de Itapemirim (ES) e faleceu no Rio de Janeiro (RJ), aos 74 anos, vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado pela filha de Rosa, Regina Marcia Paschoal Cardoso. Este tributo foi apurado por Carla Cruz, editado por Renata Meffe, revisado por Otacílio Nunes e moderado por Rayane Urani em 31 de julho de 2020.