Sobre o Inumeráveis

Sérgio Eduardo Alves

1972 - 2020

Um tio adolescente que empinava pipa com os sobrinhos. O combinado era: o mais ajuizado segurava a lata de linha.

Ser o mais novo dos irmãos é assumir responsabilidades de adulto. É aprender rápido que a vida segue e não dá trégua. Que os irmãos mais velhos viram pais. Que os pais viram avós. Que o caçula… vira tio! Sérgio Eduardo mal atinge a adolescência e assume o posto, dado por quatro sobrinhos. Não era uma escolha, era a vida.

No auge do exercício parental, foi um menino. Sob sua responsabilidade levava as crianças para soltar pipa na rua. A didática era: o sobrinho que melhor se comportasse segurava a lata de linha. Ganhou respeito. Junto às crianças, era uma.

Quando a mocidade chega e começa a viver a madrugada, fazia questão de passar pelas casas dos irmãos e gritar os nomes dos sobrinhos para que abrissem a janela e vissem as cambalhotas do tio. O que é ser tio senão um portal para lembrar-nos das nossas criancices?

O tio Du era o Du para os mais velhos. Quando se casa, é o Serginho para a esposa e os novos amigos. Sempre chamado com carinho porque colhia o que tinha plantado: ternura. Não podia ser diferente com a mulher que seria sua esposa, Ana Paula. Também ela revela a existência tão querida quando chamada: como Paulinha, gerou Lara, Sara e Ana Clara.

Crescer com responsabilidades de tio fez de Sérgio Eduardo um pai experiente. Sem medo de amar e ser amado. De dizer a quem amava que o amava. Ele sabia da importância do cuidado.

O Du, o tio Du, o Serginho, o pai será lembrado pelo talento em fazer os outros sorrirem. Cada um que teve uma vivência com ele possui uma história para contar. E é certo o riso ao lembrar-se dela. Assim vive Sérgio Eduardo hoje: pelos sorrisos ao ser lembrado.

Sérgio nasceu em Carapicuíba (SP) e faleceu em São Paulo (SP), aos 48 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pela sobrinha de Sérgio, Mayara Reis. Este texto foi apurado e escrito por Jornalista Carolina Margiotte Grohmann, revisado por Paola Mariz e moderado por Rayane Urani em 6 de maio de 2021.