Sobre o Inumeráveis

Waldir Braga Teixeira

1957 - 2020

Waldir foi liberdade, histórias e amores.

Waldir se imortalizou em cada coração. Era um homem cheio de vontade de viver.

Contabilizou um casamento que gerou três filhos e, numa segunda união o quarto filho.

Amante das artes, da música e do esporte — Era professor de educação física, administrador comercial e um colecionador de histórias e de amigos, além de muito habilidoso na culinária e no cuidado com os filhos.

"Eu pegava meus filhos só para amamentar; ele cuidava do banho, das trocas de fraldas... tudo sozinho", conta uma das filhas.

A filha Eloá chamava o pai de "MacGyver" e de "RT" (Recurso Técnico), porque Waldir sempre tinha solução para todo tipo de reparo em eletricidade e outras questões imprevistas.

Era dotado de uma memória e inteligência invejáveis.

Em plena pandemia, nasceu o segundo netinho, que só conheceu por videochamada. Foram 21 dias de luto antecipatório.

Foi generoso, nos preparou para suportar a sua partida, com a certeza de que não se tornaria mais um número na estatística apenas.

Ele segue agora, numa nova caminhada, para a vida eterna.

-

Na partitura da vida, seus filhos foram suas canções prediletas.

Foi professor de educação física e contabilidade, administrador comercial, educador social em um projeto de reinserção de menores delinquentes e radialista, profissão em que tinha um programa no qual falava sobre amor. Exerceu todas essas ocupações com dedicação e afeto.

Colecionador de histórias e amigos, Waldir era um homem cheio de vontade de viver. Amante do esporte, das artes, da liberdade.

Um flamenguista no futebol, que também se emocionou com Ayrton Senna, na Fórmula 1. Um apaixonado pelo fervor alegre do carnaval, com os amigos da Turma da Boréstia. Amante da sensação de liberdade, que as duas rodas lançadas sobre as estradas, ao sabor dos ventos, lhe traziam...

Com uma inteligência invejável, estava sempre a se reinventar em novos conhecimentos. A filha do meio chamava as soluções engenhosas do pai de “RT”: Recurso Técnico. Exatamente porque ele tinha a saída para os problemas mais complexos. Culinária, eletricidade e mecânica eram algumas das suas habilidades.

Mas Waldir era excepcional no cuidado com os filhos. Por isso, se imortalizou no coração de cada um deles.

De seu primeiro matrimônio, nasceram Elen, Eloá e Humberto. A mãe dos três filhos e a mulher com quem Waldir compartilhou a vida desde a juventude, Wanda Lúcia Batista Teixeira, traduz em palavras sua admiração: “Permanecemos 21 anos casados e, mesmo após o divórcio, a amizade e a presença na vida dos filhos foi constante. Waldir estava sempre muito espirituoso, animado, gostava de uma boa conversa... Ah, tenho boas memórias”, recorda Wanda.

Antes de partir, Waldir teve tempo de construir uma nova família com Elisângela Firmino Pedrosa, mãe de João Marcelo, de 13 anos.

Em companhia do pai, João frequentava a igreja católica e participava de um projeto de iniciação artística, com aulas de desenho e música. Juntos, aprenderam a desenhar e a tocar flauta e violino. Waldir, então, pôde se aventurar pelas artes das notas musicais e gravuras a lápis.

Hoje, a ausência de sua voz, a motocicleta estacionada e os desenhos, carinhosamente guardados, em quietude, deixam um vazio ensurdecedor. Para Wanda, “o vírus fez da vida o silêncio profundo. Waldir amava música e estava muito entusiasmado em aprimorar seu lado musical. Aprendeu a tocar depois de uma certa idade. Agora não toca mais”.

Quem segue o tom da canção é João. E Elen, Eloá, Humberto, Elisângela, Wanda e todos aqueles que já ouviram seus acordes.

Waldir não toca mais.

Mas o show continua, porque o amor do refrão de Waldir é infinito.

Waldir nasceu em Paraíba do Sul (RJ) e faleceu em São Gonçalo (RJ), aos 63 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pela filha e pela ex-esposa e amiga de Waldir, Elen Rose Batista Teixeira Gaspar e Wanda Lúcia Batista Teixeira. Este texto foi apurado e escrito por Jornalista Júlia Palhardi, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 16 de junho de 2020.