Sobre o Inumeráveis

Clarinha Sperandio Bacaro

1942 - 2020

Dona das joias mais bonitas que um dia sonhou ter: os filhos, os netos e os bisnetos.

Os almoços de família na casa de Clarinha eram verdadeiros acontecimentos: cozinheira de mão cheia, ela sabia como ninguém transformar até o prato mais simples em um verdadeiro banquete.

Bastava o primeiro elogio, ela já ia dando a receita completa. “Minha joia, preste atenção: depois de acrescentar o creme de leite é só misturar os três ovos, levar pro forno e tá pronto!” - se fechar os olhos, dá quase para ouvir a voz amorosa dela explicando a receita, como adorava fazer.

Mas a verdade é que pouco adiantava decorar o passo a passo: os pratos nunca ficavam tão bons quanto os de Clara. Vai ver era porque ela temperava cada receita com aquele ingrediente mágico que só ela tinha: o amor enorme que dedicava à família.

O marido, os quatro filhos, os netos, e a bisnetinha eram suas joias – como ela fazia questão de chamá-los. Não havia sequer um dia que não falasse com todos, não importa onde estivessem. Ela sempre ligava pra um por um: “Como você está, minha joia?”, “Como foi seu dia?”. E mesmo que não tivesse acontecido nada demais, ela ouvia com toda atenção e com todo cuidado que suas joias mereciam.

Clara não se cansava de dedicar amor à família e por isso ganhou o título de supermãe e superavó – nada mais justo tendo em vista esse superpoder que ela tinha, de cuidar e de amar as pessoas, inclusive quem nem conhecia. Todo mundo que cruzasse o caminho de Clara recebia um sorriso e um olhar carinhoso. Quando a pessoa sorria de volta, pronto! Ela ganhava o dia.

Outra característica de Clara era a fé em Deus. Ela mantinha com Ele uma relação tão forte que até trabalhou como pastora em uma igreja. Não importa onde estivesse, Clara orava todas os dias e com muita fé agradecia pela família que tinha construído. Mas ela não pedia só para os seus. As orações de Clara eram para o mundo, para todas as pessoas também pudessem ser felizes como ela era.

A fé nunca lhe faltou. Nem mesmo quando o marido, Natal Bacaro, com quem viveu 57 anos, faleceu vítima de Covid-19. Foi no enterro, rápido e restrito, que viu os filhos pela última vez. Uma semana depois, Clara foi de encontro àquele que foi seu grande amor em vida e com quem lapidou a joia mais valiosa que poderia deixar para o mundo: uma família cheia de amor.

Clarinha nasceu em Anhumas (SP) e faleceu em Santa Isabel (SP), aos 77 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pela filha de Clarinha, Rose. Este texto foi apurado e escrito por Jornalista Sarah Fernandes, revisado por voluntário e moderado por Rayane Urani em 1 de junho de 2020.