Sobre o Inumeráveis

Emerson Gonçalves Ribeiro

1973 - 2020

Onde ele estava, a alegria e a música entravam junto.

Emerson era música. Amava a música! Tocava saxofone, clarinete e flauta. Foi músico na PM. Deu baixa para continuar fazendo o que mais amava, tocar na Banda Resumo. Sua banda, uma grande paixão. Foi generoso, coração gigantesco. De tudo na vida, tirava o lado engraçado. Ria contanto as histórias do "Zé Maria". Não era de bater boca, se não concordava com você, se calava. Era paciente, principalmente com os idosos e os animais. Para cada animal de casa ele inventava um nome: a cachorra linda era "Lindalva", o cão Léo era "Leonardo". E tem o Thor, que arranhava seu carro todo dia e mesmo assim, ele jamais perdeu a paciência. Nega, e depois, Relâmpago, sua tartaruga fiel.

A vida não foi fácil para ele, teve muitos altos e baixos, muitos amores. Mas os maiores de sua vida eram Andressa e Luan, seus filhos.

Veio de uma família com sete irmãos, quanto amor, visões diferentes. Em uma das armadilhas da vida, Emerson foi morar com seu irmão, era um momento de abraço, sem perguntas, apenas para oferecer amor. Ele foi e foi com tudo. Quantas coisas, quantas caixas, quantas loucuras. Os dias com seu irmão foram iluminados, pois onde ele estava a alegria entrava junto.

"Como era maravilhoso ouvir sua música dentro de casa. Ele sempre ensaiava em seu quarto. Minha neta, Manuela, aprendeu a amá-lo ainda no ventre de sua mãe. Todas as vezes que ele tocava, ela ficava atenta. Sua relação aqui em casa com meus filhos e meu parceiro era maravilhosa. Como não amar o Emerson?! Tinha defeitos, sim, mas as qualidades superavam. O riso solto e a piada faziam parte de sua vida. Tinha muitos amigos, uns quase irmãos. Meu irmão era meu grande amor, como um filho que sempre cuidei e amarei."

Agora, Emerson toca a sua música lá no céu. Ao que ficaram, boas lembranças de sua alegria e do seu amor permanece junto.

De sua irmã, Simone.

Um cara muito legal e brincalhão. Muito especial, porque sempre foi um pai engraçado, que amava muito o seu filho.

De seu filho, Luan.

Emerson nasceu Rio de Janeiro e faleceu Rio de Janeiro, aos 47 anos, vítima do novo coronavírus.

História revisada por Rayane Urani, a partir do testemunho enviado por familiares Simone e Luan, em 2 de maio de 2020.