Sobre o Inumeráveis

Francisca Pereira da Silva

1940 - 2020

Tirava os netos para dançar e amava jogar sueca. Orgulhava-se de ter criado a prole praticamente sozinha.

Dona Francisca vivia em uma cidade com praia, mas preferia banhar-se no açude. Contrariando outros clichês, gostava da casa cheia, especialmente no Natal. No entanto, a comida ficava por conta das filhas, pois não gostava de cozinhar.

Também a mimavam com um café da manhã especial no Dia das Mães. Elas faziam os pratos preferidos da mãe.

A família é numerosa. A filha caçula, Valdirene, que tem mais sete irmãos, perdeu as contas de quantos netos e bisnetos dona Francisca teve. Vibrante, a matriarca dos Pereira da Silva amava dançar com os netos mais velhos. As jogatinas de baralho com os genros eram outra grande diversão ─ o jogo de sueca era o preferido.

"Vai tomar banho na sorda (sic)", dizia sempre que queria xingar alguém.

Ria fácil. O dia do casamento de Valdirene a deixou ainda mais radiante. A felicidade de ver a filha mais nova se casar ficou visível em cada expressão e gesto de Francisca.

Amava Roberto Carlos, "Emoções" era a música preferida.

Orgulhava-se de ter criado os oito filhos praticamente sozinha, pois, na infância dos meninos, o marido "não tinha muita responsabilidade", como conta Valdirene.

A renda veio de faxinas e do trabalho como empregada doméstica. Mesmo tantos filhos para criar, acolhia, sem exceção e com sua típica alegria.

Rezava o terço todos os dias e adorava ir à igreja.

Outra preferência geral que dona Francisca contrariava era pela cor preta. Dizia que, antigamente, trajes neste tom eram obrigatórios para guardar luto. Como ela era a alegria personificada, recusava-se a ter roupas pretas.

Dona Francisca foi arco-íris e hoje vive em cada cor de lembrança daqueles que a amavam.

Francisca nasceu em Fortaleza (CE) e faleceu em Fortaleza (CE), aos 79 anos, vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado pela filha de Francisca, Valdirene Pereira da Silva. Este tributo foi apurado por Thaíssa Parente e Hélida Matta, editado por Talita Camargos, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 31 de julho de 2020.