Sobre o Inumeráveis

Hilario Ab Reta Awe Predzawe

1977 - 2020

Sonho não envelhece. Aos 41 anos, o xavante deixou a aldeia para se formar professor.

Hilário trabalhava na área de serviços gerais da escola da aldeia onde nasceu, mas seu sonho era ser professor. Aos 41 anos, finalmente conseguiu uma bolsa e foi estudar pedagogia na UFG, em Goiânia. Seus colegas contam que no começo teve um pouco de dificuldade, pois ainda não falava tão bem o português. Mas era aplicado e, aos poucos, foi se virando.

Fez amigos e deixou ensinamentos entre a turma C. Tinha orgulho de ser xavante, usava o brinco de vara na orelha, gostava de expôr sua cultura e valorizava muito as pessoas mais velhas. Via em cada ancião uma fonte de conhecimento a ser respeitado.

Embora não fosse de muitas palavras, estava sempre aberto a conversar quando alguém se aproximava. Tinha um enorme coração. No começo da pandemia, não quis voltar para sua aldeia, por medo de perder aulas, mas assim que percebeu que os xavantes não estavam levando o vírus a sério, foi até lá avisar sobre a gravidade da situação.

Dessa viagem, ele nunca mais voltou. Ficam as suas lições. Ainda que não tenha se formado, Hilário deu a seus amigos e familiares aulas de generosidade e respeito. Deixou saudades em Heron, que forneceu este relato, em toda a turma da faculdade, da aldeia, na mulher, nos cinco filhos e nos três enteados.

Epitáfio em xavante:
Rotsawẽrẽ tsi ihi waihu’u’õdi. 41 wahu ama hã, ãhã a’uwẽ aibo mate watóbró tiromhawi tsi manhãri da rowaihu’u’wa na hã.

Texto em xavante:
Hilário aré romhuri ‘wa romnhõrédzé iró ipótódzé b’remhã rob’uptsõ’wa na, tadza hã rotsawẽrẽ ite hã dama rowaihu’u’wa da. 41 wahu ama hã, mate damé tsaprĩ dapibudzé mna hã, tô onehare tsima waprótsi te romnhõré da Goiânia ama. Itsiré romnhõré’wa nõrĩ te tsiwi watsu’u romnhõré na’rata hawimhã tama ipire na hã, waradzu mrẽmé. Tadza hã tsi’aba’réi petsedi, te tô da ama tsipra tama iwaihu’u wadzu na.

Ma ti tsiwaihu’u, ma duré atsanhõ dza’ẽtẽ titsiré romnhõré’wa nõrĩ ma hã. Tama irowẽ õhõ a’uwẽ na hã, ipo’re wa õmõré’u’o, tama iro’mahorodzei uptabi tihoimanadzé mna hã, ihoimana prédu dza’ẽnẽ ihi nõrĩ na hã. Ihi nõrĩ hã rowaihu’u dza’ẽtẽ’waiwa.

Ari’iwi natsi ihoimana dzé, tadza ni’wa te tsina rotétémhã itémé tedza robdzanha tô. Itsimidzawi dza’ẽnẽ. Abdzéwawẽ watóbró wimhã, te aré rowẽ’õ romnhõré te tsiwa’rutuwa, rowtsu’u te tsa’retse wamhã a’uwẽ nõrĩ tsimidzadze dza’ra õwa abdzéwawẽ na hã, mate te ro’mahoro da dahodzé ipipa na hã.

Tawamhã apo wara õdi Goiânia u hã. Itsimi romhuri hã itsa’u tedza ‘rehoimana dza’ra. Te te ‘rãtsutu õré tinhimi romnhõré, Hilário ma titsõ ti tsiwaihu’u nõrĩ ma ti tsitsãnã nõrĩ ma dzéma dahoimana prédu hã. Dapẽ’ẽdzé tsa’ẽtẽ na hã ma tirẽ, Heron hã, ihoiba watsu’u’wa hã, itsiré romnhõré ‘wa nõrĩ nhimi watsu’u dzéma, tiró ma, ti tsi’watébré rã nõrĩ ma hã, i’ra imrõtõ ihoiba dza’ra hã, imrõ ‘ra nõrĩ ma hã.

Hilario nasceu na Aldeia Nossa Senhora de Guadalupe (MT) e faleceu em Barra do Garças (MT), aos 43 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pelo amigo de Hilario, Heron Xavante. Este texto foi apurado e escrito por Giovana Madalosso, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 28 de junho de 2020.