Sobre o Inumeráveis

José Eugênio Vitor Filho

1954 - 2020

Um homem forte e feliz que se derretia diante de qualquer sinal de felicidade dos filhos, dos netos e das irmãs.

A vida cobrou maturidade de José ainda criança. Numa pedreira, onde o pai também trabalhava, o pequeno começou a quebrar pedras. Em meio a um mundo despedaçado, decidiu que não seria demolição. Cresceu para ser fortaleza e usou o corpo forte para acolher e proteger a família, sua maior riqueza.

José cumpriu sua missão. Foi um pai para as irmãs e amigo dos filhos Douglas, Patrícia, Andreza e Aline. Foi o avô com o coração derretido diante de qualquer sorriso dos pequenos. E como não sorrir com sua presença se ele era reconhecido como a alegria e a luz da casa? A família girava em torno de José. Ficará na memória a imagem do patriarca feliz diante da família reunida nos almoços do Dia dos Pais.

Mas não só a família era nutrida pelos encantos de José. Conhecido pelos amigos como Queixada, em referência ao queixo comprido, ele foi um galanteador e por saber cuidar, conquistou muitos corações. Dizia: “Não sou casado nem solteiro... !”. Gostava de mulher! Foram quatro relacionamentos, mas em nenhum assumiu casamento. Em sua cabeça um relacionamento se firmava e acontecia com quem fosse sua parceira... sua amada.

Em casa, era chamado de Zezinho e no ambiente familiar, também era rodeado por mulheres. Foi um homem doce que fazia de tudo pelo bem estar das irmãs, que adorava contar piadas e que não conseguia ficar parado. Procurava espaço para ser útil.

Na pedreira da infância, também aprendeu o ofício de motorista que exerceu até a aposentadoria, em 2000. Foram anos, levando e trazendo passageiros durante todo o dia e acumulando histórias na bagagem. Em casa, presenteava a família com essas histórias e causos do dia a dia, trazendo um tom cômico para cada narrativa só para arrancar sorrisos de quem amava.

José nasceu em Jaboatão dos Guararapes (PE) e faleceu em Recife (PE), aos 65 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pela filha de José, Regina Patrícia Vitor. Este texto foi apurado e escrito por Carolina Margiotte Grohmann, revisado por Rosana Forner e moderado por Rayane Urani em 4 de junho de 2020.