INUMERÁVEIS

Memorial dedicado à história
de cada uma das vítimas do
coronavírus no Brasil.

Recife (PE)

Abdias Martins de Moura, 84 anos

Um homem apaixonado pela vida. Filósofo da paz, do amor e da resiliência.

Adalgisa Maria de Aguiar, 86 anos

No tecido da vida, ela bordava amor, luz e força.

Adelmo Luís de Araújo, 52 anos

Marido amoroso e dedicado, compartilhou sorrisos e ensinamentos com a família.

Adenil Severino Silva, 76 anos

O padrinho de mais de vinte crianças, que sorria por bobagens e era uma pessoa alegre e cheia de vida.

Admário Lucena da Silva, 69 anos

Tricolor, emotivo e folião arretado. Como ele mesmo dizia: "uma pessoa de alma jovem".

Aguinaldo Eulálio Gonçalves, 71 anos

Incansável, acordava cedo assobiando e procurava interessado o que fazer.

Alexandre Jorge Lira Paraíso, 59 anos

Superpai e tocador de alfaia, Xando não tolerava injustiça.

Alfredo Batista Neto, 66 anos

Caminhoneiro brincalhão, seu caminho predileto era o de casa.

Aluízio José de Lima, 68 anos

“A vida continua”, dizia ele, com alegria e resiliência.

Aluizio Malta de Azevedo, 65 anos

Um contador de histórias. Daquelas que prendem a atenção do início ao fim.

Amara Rosa Gomes, 95 anos

Amara tinha no nome a síntese do que fez na vida: amar.

Ana Cristina Ferreira de França, 52 anos

Fazia a alegria das filhas ao chamá-las de "filhotas".

Ana Lessa Afonso Ferreira e Silva, 95 anos

A simplicidade era a chave da sua alegria.

Ana Maria Alves Galvão, 75 anos

A humildade e o amor. Servir era o que lhe trazia felicidade.

Anderson Paulo da Silva, 37 anos

Sua vida foi pautada em ensinar, havia nele grande zelo por sua profissão, era professor com muito orgulho.

Antonia Maria de Lima Alves, 83 anos

Para ela, cumprimentar alguém sem dar um abraço carinhoso não fazia sentido.

Antonio Carlos Rapette, 59 anos

Pegou um trem rumo ao céu com paradas nas estações família, amor, coração e bondade.

Antonio de Oliveira Luna, 71 anos

Esse era o Pai Véio que não queria ir se embora.

Antônio Durval Barros Barreto, 39 anos

Um homem feliz que tinha uma gargalhada sem igual e jeito simples de ver as coisas.

Antonio Praxedes, 76 anos

O fato de não ter sido alfabetizado não o impediu de ensinar, com todas letras, o que era honestidade.

Bartolomeu José Araújo Martins, 64 anos

A felicidade estampada no seu rosto será lembrada para sempre.

Caetana Maria Pereira da Silva, 68 anos

Uma avó babona que amava colocar apelido nos outros.

Carlos Alberto de Oliveira, 72 anos

Sempre que podia, levava a vizinhança na caminhonete para fazer piquenique nas praias pernambucanas.

Carlos Alberto dos Santos Viegas, 70 anos

Dedicado à família, atuou no ensino e na advocacia e faz parte da história de Goiana, em Pernambuco.

Carlos Alberto Nunes dos Santos, 62 anos

Um homem leal às suas paixões.

Carlos Alberto Rodrigues de Medeiros, 25 anos

Sorriso fácil, piada pronta, apaixonado pela profissão, pronto para ajudar quem quer que fosse, e feliz.

Carmen Josefina Medeiros Guimarães, 70 anos

Voinha dos netos, dos amigos dos netos e de quem mais ousasse lhe sorrir.

Carmencita de Albuquerque Ugiette, 81 anos

Uma pessoa que viveu para acolher e ajudar.

Celina de Almeida Freire, 88 anos

Bondade e fé serão suas eternas marcas.

Cezar Augusto Vítor Ramos, 67 anos

Se tirava sarro, era porque gostava de você.

Cícero José Rodrigues dos Santos, 62 anos

Transformava a sala em uma pista de dança para curtir com sua Lindalva, e se esbaldava na piscininha com os netos.

Cicero Manoel de Arruda, 79 anos

Aos 79 anos, dirigia seu fusquinha com muito orgulho. Esse era seu maior hobby.

Claudete Maria de Souza, 68 anos

"Que Deus me ajude a ajudar quem precisa", dizia.

Claudijane Lima França Araújo, 36 anos

Tinha lindos cachinhos e um sorriso largo, e era, acima de tudo, uma mulher de fé.

Cláudio Roberto Cabral, 56 anos

Além de pai, era amigo, confidente e parceiro de séries.

Cleide Cavalcanti da Silva, 70 anos

Com risadas longas, ela ria da vida que tinha, vida que a fazia feliz!

Cloves Cabral Ferreira, 64 anos

Adorava se refugiar com a esposa na casa de praia ou na chácara, que era o seu paraíso na Terra.

Clóvis Alves de Freitas, 53 anos

-"Seu Clóvis, você está bem?" e ele respondia: "Estou mais do que mereço!"

Davi Severino da Silva, 73 anos

Alvirrubro doente, adorava jogar seu dominó, mas sua paixão mesmo eram os jogos do Náutico.

Dionis Carlos Bernecule, 41 anos

Na vida e na profissão, tinha um olhar sempre amoroso, generoso e sábio.

Djalma Ramos Damasceno, 39 anos

O "posso ajudar?" mais sincero e disponível de todos.

Ducileide Maria de Melo, 45 anos

Generosa, costurava tecidos e boas relações com todos à sua volta.

Edcleyson de Souza Santana, 42 anos

Se algo era impossível de fazer, ele ia e fazia do jeito dele.

Edgar de Queiroz Bezerra Cavalcanti, 65 anos

O pernambucano mais sabe-tudo que existiu, apaixonado pela vida e dono do melhor bolo de chocolate do mundo.

Edilson Coelho de Andrade, 59 anos

Sua gargalhada alegre era a melhor melodia.

Edilson Ferreira da Silva, 55 anos

Capaz de ficar com fome pra dar de comer a quem não tinha. Vivia a dizer que veio ao mundo só para servir.

Edilson José de Amorim, 52 anos

Amorim amava mais as filhas do que a si mesmo.

Edinaldo José dos Santos, 63 anos

Era especialista em brincadeiras e sorrisos.

Edleusa Pereira da Silva, 53 anos

Um amor de pessoa, deu a vida por sua mãe.

Ednaldo Guedes da Silva, 47 anos

Um grande sonhador que batalhou para conquistar seus objetivos. Dono da voz que conquistou toda uma cidade.

Eduardo José Gico Lima, 49 anos

"Vamos em frente que a vida segue com Deus", dizia ele.

Edvaldo José da Silva, 56 anos

Todas as manhãs, antes de ir para o trabalho, tinha o costume de ligar a TV para acompanhar as notícias.

Eliana do Carmo Meira Lima, 63 anos

Mostrou como se deve viver: com leveza e felicidade!

Eliane Alves Barreto, 58 anos

Desfrutava dos pequenos prazeres, tornando-os grandes. Curtia inteiramente a vida, tornando-a plena.

Eliane Pereira de Moura, 61 anos

Viver para o próximo foi a maneira que ela encontrou de viver para si.

Eliude Maria das Chagas, 66 anos

Foi professora em sala de aula e também na vida, compartilhando seus ensinamentos.

Elza Gadelha Pinheiro, 88 anos

Aos domingos reunia a família sob o pé de manga para se deliciarem com a galinha a cabidela que preparava.

Erieldo de Albuquerque Autran, 83 anos

Era a força que todos querem ter, o amor que preenche o coração e a fé que transborda os sentidos.

Ester Albuquerque de Lima, 81 anos

Do terraço de sua casa, no alto da escadaria, Teté via o tempo e as pessoas passarem..

Eudes Ludgero da Silva, 67 anos

Apaixonado por sua sorveteria, ele levou doçura pra muita gente.

Eurípedes Alves Bezerra, 57 anos

Tinha o dom de ajudar e ensinar sobre a vida.

Ezequias Albino da Silva, 64 anos

Um pernambucano apaixonado pelo Corinthians.

Ézio Dário Batista, 81 anos

Um encantador de pessoas. Amor ao próximo, trabalho árduo e dedicação à família: eram seus lemas de vida.

Fabiano Paes Barreto, 44 anos

A sua espiritualidade e generosidade estavam sempre em evidência.

Fernanda de Brito e Silva, 60 anos

Sua alegria brilhou nos carnavais e nas vidas de quem ela amou.

Flávio José Barreto Belo, 70 anos

Foi um pai maravilhoso, que nunca usou de violência e educou pelo diálogo; acabou virando amigo.

Francimar Francisco da Silva, 36 anos

Presença registrada nos encontros da família e dos amigos, "Balada" era sinônimo de alegria.

Francisco Victor de Holanda, 67 anos

Com seu bordão: “Jesus mandou te convidar”, não havia quem se recusasse a qualquer missão demandada por ele.

Genezia Rita da Silva, 86 anos

Aprendeu a nadar em açude, na infância sertaneja. Adulta, se encantou com o mar na Praia do Muro Alto.

Geraldo Francisco da Silva, 73 anos

Vivia a vida intensamente, fazendo amigos, conversando, brindando, dançando...

Germano Bastos da Silveira Filho, 66 anos

Adorava ir à praia e tomar uma cerveja. Vivia agarrado no celular e dizia que o trabalho era seu lazer.

Gilvan Luiz da Silva, 62 anos

Pernambucano que se colocava no lugar de todos aqueles que sentiam dor e amor em estado bruto.

Guido Olegário das Neves, 80 anos

Adorava comer, foi satisfeito com a vida e sempre pedia: "Tenha fé em Deus e em Nossa Senhora".

Hélio Barros de Andrade, 61 anos

Como pediatra, orgulhava-se de estar sempre disponível e de não deixar nenhuma mãe aflita.

Henrique Soares da Costa, 57 anos

Com seu jeito simples doou sua vida a serviço da igreja e do povo.

Homero Rodrigues Silva Neto, 49 anos

Com 1,92, conseguia ter um coração maior que sua estatura.

Hugo Emanoel Vieira, 58 anos

A luz que ilumina o caminho de sua família e os ajuda a seguir.

Ilza Teixeira dos Santos, 77 anos

Um ser de luz, que guiará os seus sempre.

Isaac Benjamin Alves de Melo, 5 meses anos

Um pequeno grande homem que se fez gigante diante da vida e encantou a todos com seu sorriso de anjo.

Isaías Bezerra Cavalcante, 54 anos

Ele era lar. A cada tijolo empilhado, suspirava-lhe o coração.

Isavan Wolgrand Barros Lira, 81 anos

Um ser de muita fé, devoto de São Luís Gonzaga.

Ismael Lino do Nascimento, 77 anos

Homem feliz, trabalhador, sonhador e, acima de tudo, pai.

Ivson Carlos Vieira, 46 anos

Adorava ouvir músicas nas horas livres e principalmente tocar guitarra nos trios elétricos que passavam pela cidade.

Joana Lemos da Silva, 100 anos

Vovó me ensinou a fazer meu primeiro laço, a pular corda, a rezar, a dizer obrigada, e principalmente a respei

João Alexandre da Silva Neto, 42 anos

Era a própria alegria. Dono de um sorriso contagiante, alma boa e coração gigante.

João Batista de Carvalho, 85 anos

Caridade, luta, perseverança e amor aos pais e filhos.

João Coelho Santana, 62 anos

Dono de um coração tão grande quanto o repertório de respostas afiadas.

João Nunes da Silva, 71 anos

Honesto, trabalhador e paciente. Assim resumia-se João. E como gostava de se cuidar!

João Roque da Silva, 96 anos

Era sinônimo de simpatia. Amava bater perna, contar causos e tomar um bom chá de capim-santo.

Joel Ferreira dos Santos, 72 anos

Era uma daquelas figuras emblemáticas que, de tão autêntico, deixava histórias e frases marcantes por onde passava.

Joel Pereira de Alcântara, 79 anos

Professor, poeta e sempre pronto para uma aventura.

Jorge José de Melo, 62 anos

Tinha como marca registrada a sinceridade ao pronunciar "eu te amo".

Jorge Pereira da Silva, 71 anos

Jorge Thiê, professor de arte e artista plástico. O peixe dos dois rios: o Formoso e o de Janeiro.

José Adolfo Lins Neto, 71 anos

Sonhava em conhecer o Rio de Janeiro e, se o chamasse para viajar, já estava com as malas nas mãos.

José Barboza da Silva, 82 anos

A felicidade dele era ter uma família grande.

José de Souza Araújo, 68 anos

Uniu o orgulho da farda e a paixão pela música na mesma carreira.

José do Nascimento da Silva, 52 anos

Gostava de passar o final de semana com os filhos e genro. Com um bom vinho e "Daniel Ao Vivo em Brotas" ficava perfeito.

José Eugênio Vitor Filho, 65 anos

Um homem forte e feliz que se derretia diante de qualquer sinal de felicidade dos filhos, dos netos e das irmãs.

José Gomes de Moura, 69 anos

Palavras de fé e amor.

José Inaudo Gomes do Nascimento, 72 anos

“Em Bodocó nasceu, se criou, amou e partiu; que volte agora como luz”

José Luiz e Silva, 93 anos

Um eterno aprendiz. Alfabetizado aos nove anos, escreveu livros e cursou duas universidades após ter aposentado.

José Mariano Pereira Filho, 57 anos

Torcedor ardoroso do Sport Club do Recife.

José Otávio Pacheco Teobaldo, 74 anos

Um pernambucano que adorava ouvir música deitado em sua rede.

José Péricles Gomes Lopes, 71 anos

Pai dedicado e avô bobo, ostentava um bigode de respeito com muito bom humor.

Joselita de Araujo Lima, 60 anos

Só descansou quando soube que seus sete cachorros estavam com quem ama os animais.

Josemary Lima Santos Vieira, 55 anos

Era a humanidade em locais frios. Conseguia leitos, exames e o que mais fosse possível como assistente social.

Josias Carlos da Silva, 80 anos

Romântico, gostava de apreciar a lua e ouvir a esposa cantar.

Josinaldo Mendonça, 53 anos

O arengueiro amigo de todos.

Josineide Vila Nova de Souza, 56 anos

Além de luz para muitos, era guia e força para quem dependia dela e de seu amor.

Josival Ferreira dos Santos, 59 anos

Por trás do semblante sério, havia um coração enorme e bondoso.

Júlio Marinho da Silva, 65 anos

Dedicou a vida a cuidar com muito afeto de quem amava.

Laderson do Souto Moura, 83 anos

Se vestia de palhaço para curtir o frevo e o Galo da Madrugada no Carnaval pernambucano.

Leni de Paula Cavalcante Silva, 74 anos

Distribuía aos clientes da padaria onde trabalhava o seu lindo sorriso, acompanhado do troco.

Lenílson da Silva, 49 anos

Fez do pão de cada dia a base do amor em família.

Leonardo Ribeiro de Lima, 49 anos

O sétimo filho dos nove que sua mãe teve.

Leonor da Silva Almeida, 91 anos

A vovó que era sinônimo de força.

Lindalva Maria Cavalcante do Nascimento, 69 anos

Era reconhecida até pelos funcionários do shopping, não só pela frequência das visitas, mas por sua alegria.

Lindinete Ferreira da Silva, 48 anos

Sentia-se jovem por natureza. Sempre dizia aos outros sua idade errada.

Luiz Alberto Lacerda, 74 anos

Comunicativo e bom contador de histórias, ele tinha intuição para negócios e sentia prazer em trabalhar.

Luiz Carlos da Costa Menezes, 75 anos

Pescador, chamava todos que conhecia na praia "pra tomar uma" em casa.

Luiz Carlos Fontes Baptista, 75 anos

Um apaixonado pela vida. Amar e contar histórias, assim como comer e beber, eram necessidades vitais.

Luiz Florentino, 82 anos

Sempre presente e disponível ao próximo, terá gratidão eterna dos que ajudou.

Luiz José do Nascimento, 78 anos

O ranzinza mais simpático foi solidário, conselheiro e trabalhador.

Lusinete Felix do Nascimento Cruz, 72 anos

Foi professora. Daquelas que transformam uma cidade inteira.

Manoel José da Silva, 68 anos

Extremamente alegre e de sorriso fácil.

Márcia Maria do Nascimento, 43 anos

Uma mulher-luz para os olhos do filho amado.

Marcos Gomes da Rocha, 52 anos

Dizia que qualquer comida preparada pela esposa era a mais saborosa de todas.

Maria Albani de Andrade Nunes, 93 anos

Dona de uma das primeiras boutiques de Recife e do jeitinho mais encantador já visto.

Maria Conceição da Silva, 58 anos

Uma luz de amor na linha de frente, que trabalhou sem parar e com toda dedicação!

Maria da Conceição da Silva, 74 anos

Amorosa, cuidou de irmãos, primos e sobrinhos como se fossem seus filhos.

Maria da Conceição do Nascimento, 52 anos

Uma mulher do povo, destemida, que inspirava todos à sua volta com seus inúmeros talentos.

Maria da Glória, 94 anos

Seis filhos e 16 netos, todos bem criados e formados. Esta era a riqueza de Maria.

Maria das Graças Beltrão Mulatinho, 71 anos

Formada em administração e com Pós-doutorado em determinação, princípios e amor pela família.

Maria das Graças Pimentel, 68 anos

Tia Graça, um anjo que dava asas à imaginação de outros anjos, crianças portadoras de deficiência intelectual.

Maria de Lourdes Caldeira, 59 anos

Mulher alegre, defensora dos animais e que amava viver.

Maria de Lourdes Chaves, 75 anos

Mãe-maravilha, era um ser humano de luz, com paciência exemplar.

Maria de Lourdes da Silva, 72 anos

A mulher mais conhecida e amada do Morro Bom Jesus. Fez de sua casa o acolhimento para os menos favorecidos.

Maria do Carmo de Oliveira, 67 anos

Aquela pessoa que te puxa pra dançar e também pra te ajudar, emprestando força e coragem de seguir em frente.

Maria do Livramento Lira da Silva, 62 anos

Uma rainha que, na praia, voltava a ser criança para brincar com os netos.

Maria dos Prazeres Soares de Azevedo, 59 anos

Predestinada essa moça, que honrou seu nome: “Maria dos Prazeres” fez da vida uma festa de alegria sem fim.

Maria Elizabeth Fernandes dos Santos, 66 anos

A avó costureira que fazia para os netos amados sacolinhas com pipocas e bombons em todas as festas.

Maria Helena de Sousa, 88 anos

Quando parecia ter dado todo afeto possível, chegaram os netos para provar que era fonte inesgotável de amor.

Maria José Cabral, 88 anos

Perto dela ninguém ficava sem comer! Ela fazia questão de servir comidas deliciosas a cada visita que chegava.

Maria José do Nascimento de Paula, 90 anos

Para "Vovó Maria", cada plantinha era única, assim como cada um de seus netos.

Maria José Simões, 82 anos

Viveu rodeada de gente grande e pequena. Foi muito amada.

Maria Lourdes Chaves, 75 anos

Amava cozinhar e fazia uma galinha de capoeira de lamber os beiços.

Maria Paulinha Vieira de Azevedo, 90 anos

Uma mulher de muita fé, apaixonada pelo marido e pelos filhos.

Marilene Rita Bezerra, 69 anos

Gostava da alegria da vida e com coragem desviou dos obstáculos da tristeza.

Marinalva de Vasconcelos, 62 anos

Será sempre lembrada com muito carinho e amor.

Marinalva Moura de Sousa, 65 anos

Um gesto, uma frase de apoio, um suco à espera da família... peculiares jeitos de amar dispensam palavras.

Marinete Getrudes dos Santos, 72 anos

Mulher de fé e de muita garra, amava dançar e gostava de ser fotografada.

Marinita dos Santos Albuquerque, 63 anos

Seu maior ensinamento foi que é possível passar por tudo de cabeça erguida e de batom vermelho.

Mario Duarte Barros Filho, 65 anos

Ele foi um líder nato, não só no âmbito profissional, mas no pessoal também, participando ativamente nas vidas e decisões da família.

Mario Rostan da Silva, 31 anos

Não pedia muito da vida: bastava uma gelada, um futebol e a boa companhia dos amigos e da família.

Marivaldo José da Silva, 58 anos

Todos os dias de manhã, ouvia a missa pela rádio.

Marlene Almeida de Andrade, 83 anos

Carismática, seduzia a todos com sua doçura. Só não admitia que atrapalhassem suas orações, ou sua novela.

Marlene Teixeira, 71 anos

Amava festas e reunir a família para almoçar aos domingos.

Marlon Ferreira, 45 anos

Dizia todos os dias que a língua do seu povo Fulni-ô não podia se perder

Marlúcia Souza Vasconcelos, 77 anos

Uma mulher cujos sorrisos as dificuldades da vida não conseguiram levar embora.

Marly Dias Moreira, 82 anos

Assoviou amor, dançou a vida, plantou bondade e, até os animais sentirão falta do seu cuidar.

Marta Maria de Lima, 65 anos

Se o outro não estivesse bem, ela também não estava.

Maurício Carlos Martins Jr., 54 anos

Casa cheia, mesa farta e todos falando ao mesmo tempo. Taí o que deixava ele feliz.

Midian Guedes Maurício, 53 anos

A mãe sempre sorrindo e abraçando os seus.

Miguel Brasil de Lira, 83 anos

Distribuiu fé, amor e consideração pelo próximo por meio de de suas sábias palavras nas pastorais.

Milena Morais Paiva, 22 anos

As estrelas moravam no seu sorriso.

Miriam Marques de Albuquerque, 67 anos

Uma pessoa de tirar o chapéu; uma mulher que prezava muito a liberdade e a independência.

Mirian Cardoso da Silva, 77 anos

Sua resposta de sempre: "Estou ótima, está tudo maravilhoso, graças a Deus!".

Noêmia Josefa do Nascimento, 82 anos

“Nunca dependa de homem para nada, minha filha!”, era o lema dessa pernambucana encantadora e destemida.

Norma Aciole de Souza, 66 anos

Ajudava desde quem não tivesse o que comer até quem precisasse de um lugar para dormir.

Orlando Gomes da Silva, 55 anos

Dançou com a filha, em sua formatura e em seu casamento, a música “Coisinha do Pai”.

Orlando Gomes da Silva, 62 anos

Deus está se divertindo muito com a alegria de painho.

Paulino Feitosa Dias, 67 anos

Apaixonado pela vida e muito agitado, não deixava ninguém dormir.

Paulo Henrique Pereira dos Santos, 55 anos

Um paizão para todos e dono de um abraço de urso gigante, do tamanho do seu coração.

Paulo Roberto de Luna, 70 anos

Apaixonado por Beatles, ateu com fé na vida pós-morte e com um mundo utópico em mente: era único!

Pedro Genuino Pereira Filho, 61 anos

Muito calmo e tranquilo, era um homem genial.

Prazeres Barbosa da Silva, 70 anos

Com suas mãozinhas mágicas tecia flores de meia de seda, assava bolos deliciosos e oferecia afeto, sem nenhuma economia.

Raimundo Soares de Lima, 80 anos

Amante dos livros e dos animais, tinha voz de radialista.

Ramildo José dos Santos, 79 anos

Dono de uma fé gigantesca e de um bom humor de causar inveja, ele estava sempre feliz.

Raquel Pessoa de Oliveira, 38 anos

Raquel plantou amor e deixou para os amigos e familiares a colheita.

Raymundo Luiz Cavalcanti da Fonte, 99 anos

Sonhador e empreendedor nato, colaborou fortemente para a transformação e desenvolvimento do nordeste.

Regina Maria Meneze Leite, 57 anos

A mulher mais forte que existiu.

Ricardo Coimbra de Almeida Brennand, 92 anos

"Quando Deus quer, o homem sonha, a obra nasce", dizia o industrial e colecionador.

Rildete Amaral, 65 anos

"Somos todos filhos de Pai Obatala."

Ronaldo Bezerra dos Santos, 53 anos

“Cadê a princesa de vovô?”, perguntava ele quando via a neta, por quem era vidrado.

Ronaldo Pereira da Silva, 58 anos

Ronaldo adorava um brega e não dispensava uma boa cachaça. Tinha mania de companhia de sua esposa e filhas.

Ronaldo Rocha Lelis, 64 anos

Um mineirinho que amava o mar.

Roque de Brito Alves, 94 anos

Será para sempre imortal, pela genialidade de suas obras e pelas lembranças eternas nos corações de seus alunos.

Rosa Maria da Conceição Silva, 80 anos

Deu ao seus filhos o maior presente: a certeza de que podiam confiar em Deus.

Rosália Maria de Lemos Mesquita, 52 anos

Em seu imenso coração havia espaço para a família e para todos que ela ajudava, como profissional da saúde.

Rosette Tavares da Silva, 78 anos

“Ainda bem que estão com saúde e com a cabeça no lugar!”, dizia, aliviada quando via os sobrinhos bem.

Ruan Matos Félix, 28 anos

Cada um tem seu jeito, sua armadura... Por trás dessa, apenas um menino feliz, generoso, amigo e competente.

Sandro Santos de Araújo, 45 anos

Seu sorriso fácil, suas brincadeiras e a maneira leve de ser, ficarão para sempre na memória.

Saulo Cruz, 50 anos

Além de um grande evangelista, era também "o pastor dos pobres". Ajudou muitas vidas.

Sebastiana Conceição Pedroza de Vasconcelos, 73 anos

Mãe leal, protetora e amiga. Uma pernambucana que nunca se intimidou.

Sérgio Antonio da Silva, 55 anos

Pai presente, filho e irmão querido. Apaixonado pelo Sport Recife e cupido dos conhecidos.

Severino Araujo da Silva, 89 anos

O seu amor ficou gravado nas ações e afetos que teve com a família e a comunidade.

Severino Ferreira Barros, 80 anos

Um sonhador que, de tanto sonhar, realizava. E que, de tanto realizar, ajudava a mudar mundo.

Severino Urbano Ferreira, 91 anos

Sua vida perfumava até os mínimos instantes.

Sônia Santina Silva, 67 anos

Tinha um sorriso fácil, só seu, um carinho e um tempero como não havia outro no mundo.

Sueli Flora de Freitas, 45 anos

Sueli era la belle de jour em alegria. A tristeza, com ela, não tinha vez.

Tereza Alexandre Borges da Silva, 84 anos

Exímia cozinheira e dançarina de forró, gostava de política, de casa cheia e de ter a família sempre por perto.

Terezinha Borges Ferreira, 74 anos

Estava em permanente oração pelos tantos e amados filhos.

Thiago Noberto de Oliveira, 31 anos

Em campo, nos estádios, no rádio ou na TV... em suas veias corria a enorme paixão pelo futebol.

Valdemir Meira do Nascimento, 84 anos

Com a ajuda de Deus realizou seus sonhos mais antigos. Um pai apaixonado e dedicado.

Valdemiro Machado de Oliveira, 71 anos

Estava sempre disposto a ajudar. Seu lema era “quem não vive para servir, não serve para viver”.

Valdenia Soares Cardoso, 62 anos

Não satisfeita em ter o amor ao próximo como virtude, fez dele sua profissão.

Valentim José da Silva, 87 anos

Ativo e bem-humorado, construiu a igreja que frequentava e sonhava em se casar com a namorada.

Verônica Maria Soares da Silva, 64 anos

Seus telefonemas eram sinônimos de alegria, amor e sabedoria.

Walquiria Bezerra da Silva, 56 anos

Mainha artesã e talentosa, era apreciadora de churrasco de bode e conseguia ser, ao mesmo tempo, fortaleza e doçura.

Wellington Alves das Neves, 48 anos

Sua alegria incondicional contagiava qualquer um. Tinha o dom de cativar com um sorriso.

Wellington Brito de Vasconcelos, 42 anos

Sua família e o Sport Club do Recife eram seus maiores amores.

Wellington José dos Ramos Silva, 58 anos

Tinha um jeito carinhoso e só seu de chamar cada pessoa.

William Trajano dos Santos Silva, 38 anos

Sempre inventava um almoço para comemorar algo. O motivo: estar junto da família.

Wilton Amilton Alves, 40 anos

Policial Militar que sempre tinha tempo para as pessoas especiais em sua vida.

Yvone Moreira da Cruz, 93 anos

Mulher à frente do seu tempo, foi a grande mãe da família, patrocinando sonhos e dando as broncas necessárias.

não há quem goste de ser número
gente merece existir em prosa