Sobre o Inumeráveis

Luiz Carlos de Souza Coelho

1955 - 2020

Do Tocantins ao Pará, do cinema ao churrasco, o dom dele era entreter.

Luiz Carlos veio de uma cidadezinha do Tocantins. E foi norte para muitos durante toda a vida. Aos 21 anos, deixou Pequizeiro rumo ao Pará. Sempre acompanhado de Cilene, o amor da sua vida.

Carinhosamente, ganhou o apelido de “Kaskinha”. Alegre do jeito que era, sempre cheio de gracinhas, contagiava, com essa alegria, todos que passavam por ele.

Senhor Kaskinha tinha paixão por entreter. Tanto que levou um cinema à cidade de Ourilândia do Norte, em meados de 1984. O Cine Régis foi palco da maior diversão da cidade. Anos depois, precisaram se mudar novamente. Dessa vez, o recomeço foi em Barcarena. E, com seu dom de entreter, Kaskinha mais uma vez multiplicou suas conquistas.

Alguém sempre estava a gritar por ele. “Ei, Kaskinha!”, e ali a fama do churrasco do Kaskinha se consolidou. Ele, que estava sempre de camisa, bermuda, chinelos e sorriso no rosto.

Nessa vida de alegrias, recomeços e descobertas, Luiz e a esposa construíram aquilo que sempre iria acompanhá-los. Quatro filhos, oito netos, vários sobrinhos. Todos filhos, que também eram amigos. E amigos, que eram como filhos. Seu Kaskinha era pai de muitos, sempre pronto a ajudar. Amigo leal, não media esforços para rever as pessoas especiais, como dirigir mil quilômetros para passar um final de semana em sua cidade natal.

Luiz era equilíbrio. Tinha muito apego pelo seu trabalho, assim como sabia se divertir e proporcionar felicidade a quem estivesse ao seu redor. Luiz era leve, vivia o amor como prova de que a felicidade própria sempre caminhava com a felicidade do outro. “Perder alguém como seu Kaskinha é perder um pouco da vida da gente”, resume seu filho do coração, Plínio.

Luiz nasceu em Pequizeiro (TO) e faleceu em Barcarena (PA), aos 64 anos, vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado pelo sobrinho de Luiz, Patrick Rabelo Araújo. Este tributo foi apurado por Ricardo Pinheiro, editado por Mariana Couto, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 30 de julho de 2020.