Sobre o Inumeráveis

Vanilda Cardoso de Sousa Fonseca

1964 - 2020

Tinha amor, sinceridade e determinação de sobra para distribuir e para usar na conquista de seus objetivos.

Filha do sr. Antônio e de dona Maria de Jesus, Vanilda, que depois ficou conhecida como dona Vânia, teve nove irmãos. Vinda de uma família grande, foi mãe duas vezes e manteve o coração grande. Primeiro, nasceu Nonato. Depois, ela casou-se com Raulino e teve Camila, fruto dessa união.

Dona Vânia e Raulino se conheceram em um baile em um clube da cidade de Porto Trombetas, no Pará. O contato foi o ponto de partida para uma história de muito companheirismo que durou trinta anos, repleta de bons momentos. Juntos, o casal conquistou o sonho da casa própria e também o de ver Camila subir ao altar em dezembro de 2019.

Para aproveitar a vida, dona Vânia e o marido fizeram viagens de férias a Fortaleza e inúmeros passeios a Oriximiná, onde ela nasceu. Gostava muito de visitar sua cidade natal e, da última vez que estiveram lá, foi para buscar dona Maria.

À época, a mãe de dona Vânia estava com a saúde debilitada. Raulino lembra que a esposa "prometeu cuidar da mãe e cuidou como fosse uma filha". O marido se orgulha em dizer que a esposa ajudou dona Maria a recuperar a saúde, como se propôs a fazer. Também pudera! Dona Vânia era uma pessoa guerreira e que nunca desistia de seus objetivos.

Era uma mulher séria e muito sincera. "Se tivesse alguma coisa para falar, falava mesmo", lembra Raulino. Também muito preocupada com o bem-estar dos irmãos e de toda a família, procurava formas de ajudar a todos e gostava de mantê-los unidos.

Tinha o hábito de reunir os familiares e gostava de ver a casa cheia de amigos. Se ia para Oriximiná, dona Vânia convidava os parentes para ficarem perto do pai e da mãe. Se estivesse em Belém, fazia a mesma coisa: convidava todos para um bom almoço juntos.

Alguns sonhos ficaram por cumprir, como os diversos passeios planejados para depois que Raulino se aposentasse. Ficaram também lembranças de uma mulher determinada, que adorava flores e que, sobretudo por meio de gestos, fez questão de compartilhar todo amor que carregava em si.

Vanilda nasceu em Oriximiná (PA) e faleceu em Ananindeua (PA), aos 56 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pelo esposo de Vanilda, Raulino Lagoia Fonseca. Este texto foi apurado e escrito por Jornalista Larissa Reis, revisado por Paola Mariz e moderado por Rayane Urani em 19 de novembro de 2020.