Sobre o Inumeráveis

Angelina Teresa da Silva

1975 - 2020

Dentro daquela mulher introspectiva pulsava um coração de portas escancaradas para o amor. Ainda pulsa.

Eram a simpatia e o bom humor as características mais marcantes desta mulher que, tímida, deixava escapar pelas brechas dos detalhes, talvez por acidente, a sua mais linda, íntegra e profunda verdade. Inevitável e avassalador, feito explosão, esse era o acidente mais benéfico de todos os tempos.

Feliz dos amigos de Angelina que, numa convivência rotineira, capturavam a essência daquela luz angelical. Não só alunos e professores do Colégio Marechal Mallet desfrutaram deste privilégio, mas também funcionários da instituição. Elisa, mãe de Angelina, era uma deles e pôde mostrar ao mundo a grande conexão que tinha com a filha — da herança dos valores ao companheirismo de duas mulheres.

Mulheres negras. Inseparáveis. Minoria no colégio, mas maiorais nos corações de cada um que conviveu com elas e hoje faz questão de deixar seu relato de admiração escrito por muitas mãos. "Angelina era uma menina mais tímida, introspectiva, mas com um grande coração como a mãe", conta Audrey Francisco, colega de escola da homenageada, que não pôde deixar de lembrar de uma grande marca, que ecoará para sempre nos corações: "Tinha uma gargalhada maravilhosa, era a maior companheira da tia Isa (Elisa, a mãe de Angelina). Uma pessoa amorosa."

Mesmo com toda adversidade da vida, a mulher-anjo soube plantar sementes por onde passou. Seu amor e cuidado com os amigos que fazia estavam sempre presentes, mesmo em sua ausência. Sua família continuava seu brilho para todos os lados, em direção ao passado e ao presente, rumo ao infinito.

Foi aos dez dias de julho de 2020 que ela deixou o marido, a filha Lara, a mãe Elisa e os amigos; não no sentido de abandono, mas de se fazer infinito nas vidas de quem mais amava. "Realmente deve ter sido a primeira vez que imaginamos Tia Isa profundamente triste", conta Audrey em nome dos amigos e familiares. "Pensamos que deve ter sido a primeira vez, em anos, que essa mulher chorou." Elisa Inês da Silva, a Tia Isa, se foi seis dias após a partida da filha e sua história também foi contada no Memorial Inumeráveis.

"Acreditamos que Lara, a filha de Angelina e neta de Tia Isa, crescerá com o exemplo dessas mulheres que se derramavam em elogios a ela. De nós, poderá contar com nossos relatos para saber o quanto elas são especiais. Não foram... são!

Elas partem deixando uma saudade imensa, principalmente para Lara, e um aprendizado incomensurável para nós neste momento de crise. Agora choramos suas partidas. Mas sorrimos para sempre suas saborosas lembranças."

A história da mãe de Angelina também está guardada neste memorial, e você pode conhecê-la ao procurar por Elisa Inês da Silva.

Angelina nasceu em Leme (SP) e faleceu em Campinas (SP), aos 44 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pelos amigos de Angelina, Audrey Fantini Francisco, Ana Paula Crepaldi, Adriana Gonçalvez Wolmer, Daniela Crepaldi, Andréa Rodrigues, Rosana Evangelista Poderoso, Georgenes Ballesteros e Eny Martins Quércia. Este texto foi apurado e escrito por Jornalista Irion Martins, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 29 de julho de 2020.