Sobre o Inumeráveis

Antonio Mendes

1942 - 2020

De manhã, gritava pela casa: Cafééé!!! Era amoroso, brincalhão e um grande contador de histórias.

Antonio Mendes trabalhou no setor de construção civil, principalmente na parte de pintura. Atualmente estava aposentado. Era um velhinho com uma aparência simpática, de olhos azuis acinzentados, filho de imigrantes portugueses.

Uma pessoa de luz, por onde passava irradiava simpatia. Gostava muito de cantar. Em outros momentos da vida em que foi hospitalizado, as enfermeiras sempre relatavam à família a alegria dele e o fato de cantar sempre.

"Papai sempre foi muito simples, gostava muito da vida com a natureza e os animais. Durante anos criou galinhas no quintal e ficava conversando com elas. Sempre cuidou dos animais que eu e meus irmãos adorávamos: cachorros, calopsitas e outros passarinhos", conta Monique. "Quando ele chegava em casa, ia falar com todos os bichos, que faziam uma festa ao vê-lo!"

Antonio foi casado por 38 anos com Floripes e, além de Monique, tiveram também os filhos Elaine e Geovane. Era apaixonado por comer e tomar café. Gritava pela casa, logo de manhã, todo empolgado: "Cafééé!!!"

Foi um pai maravilhoso, carinhoso, amável, sua maior preocupação era proporcionar tudo que pudesse à família, mesmo tendo pouco dinheiro. Antonio amava contar histórias. "Nossa infância sempre foi marcada pelas histórias que ele inventava, nunca vi ninguém contar histórias como ele. Sempre, ao nos colocar para dormir, criava histórias da sua cabeça. Minha paixão pela leitura certamente começou com a criatividade e o talento dele", diz Monique, que conclui sua homenagem com uma memória: "Vai ficar na minha lembrança para sempre ele me buscando todos os dias na escola, à noite, com o bonezinho na cabeça. Ele sempre acreditou e investiu em mim, sempre lutou para que eu estudasse e tivesse um bom futuro."

Antonio nasceu no Rio de Janeiro (RJ) e faleceu no Rio de Janeiro (RJ), aos 77 anos, vítima do novo coronavírus.

História revisada por Phydia de Athayde, a partir do testemunho enviado por filha Monique D'Oliveira Mendes de Queiroz, em 13 de maio de 2020.