Sobre o Inumeráveis

Carlos Alberto dos Santos

1962 - 2020

Era bom de garfo e, para ele, não podia faltar alface no almoço.

Também conhecido como irmão Carlos, Carlinhos, Coca, tio ou padrinho. Foi o esposo de Aparecida, a quem ele, carinhosamente, chamava de “pretona”, como a sobrinha e afilhada Viviann faz questão de lembrar. Foi um pai rígido e amoroso com seus quatro filhos: Amanda, Lucas, Beatriz e Daniel.

Tinha sempre uma palavra para quem precisasse, como também um ensinamento. “Padrinho tinha um ensinamento para tudo, e sempre via as coisas pelo lado bom. Lembro-me de quando a gente se via, ele sempre falava “Vivinha, como você está bonita”. Ele era paizão mesmo com meus primos, sabe?! Daqueles que todo mundo quer ter, de corrigir, brincar, abraçar, ensinar. Era o supercompanheiro de madrinha. Além de um jeito manso que o ajudava a levar paz por onde ia”, recorda Viviann.

Trabalhava como técnico em informática. Parecia sério, mas sempre tinha uma risada guardada ou até mesmo uma história para contar. Religioso como era, gostava de cantar louvores e de ir à igreja. Tinha o compromisso de ir lá diariamente para fazer as suas orações, não faltava nenhum dia sequer.

Quando não estava trabalhando, ficava sempre com as pessoas que mais amava, sua família. “Sempre estava com os filhos ou minha madrinha. Quando estava de folga, aos finais de semana, iam andar de bicicleta, dar uma volta na cidade. Ele via também muitos filmes com os meninos, vídeos na internet. Era uma pessoa curiosa e lia bastante”, conta Viviann.

Carlinhos também era bom de garfo, no seu prato do almoço não podia faltar alface. Gostava muito do arroz que sua filha mais nova fazia, enquanto com a mais velha tinha ciúmes dos namorados.

Dentre seus grandes e valiosos ensinamentos, Viviann recorda, em especial, destes. “Deixou a saudade, a oração que fazia antes das refeições, o amor pela família, o compromisso pelo trabalho. Deixou-nos”.

Carlos nasceu em Vila Velha (ES) e faleceu em Serra (ES), aos 58 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pela sobrinha e afilhada de Carlos, Viviann Lúcia Barcelos de Oliveira. Este texto foi apurado e escrito por Jornalista Mateus Teixeira, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 19 de setembro de 2020.