Sobre o Inumeráveis

Ceci de Lima da Costa

1961 - 2020

A família foi sua paixão. Era mãe com açúcar para os netos e tinha mãos de fada para plantar e cozinhar.

A família era sua paixão. Para os netos, era mãe com açúcar duas vezes. Tinha mãos de fada na cozinha e no cultivo das plantas.

Os almoços de domingo eram encontros inesquecíveis na casa da dona Ceci. Cozinheira de mão cheia, se dedicava a cuidar do marido, das filhas e dos netos. As filhas Vânia, Neidy e Edna, a quem sempre tratou como trigêmeas na infância, estavam sempre vestidas iguais. Pilar da família, era apaixonada por plantas. Cultivava orquídeas e flores de maio.

Além das plantas, outro “xodó” eram os netos. Era tão doce com os cinco que as filhas já falavam: é mãe duas vezes, porém com açúcar. Sempre sonhou e desejou a felicidade das filhas e dos netos, e assim vivia ao lado do marido, senhor José, com quem esteve casada por quase 40 anos.

Com a casa sempre limpa e organizada, decorava os espaços com bibelôs e enfeites, tudo no devido lugar, e era linha-dura com quem deixasse algo sujo! Trabalhou como doméstica por mais de 12 anos, e, além das tarefas do dia a dia, ajudou a cuidar das crianças e era considerada membro da família.

Nas horas vagas, gostava de passear no shopping e viajar. As conversas no “zap”, como ela chamava, eram frequentes, e foi através do aplicativo que começou a interagir com redes sociais, sua grande distração.

De um jeito simples, sempre foi uma mulher guerreira. A filha Neidy recorda sempre as boas e engraçadas histórias que viveu ao lado da mãe. Certa vez, quando ela começou a trabalhar no McDonald’s, levou a mãe para lanchar. Ceci falava: "Não sei como pedir, pede aí pra mãe o 'Mequidona'”. Neidy recorda essa história sorrindo ao lembrar o jeito simples e divertido da mãe.

Ceci viveu para a família e para o marido. Tinha mãos de fada, cozinhava como ninguém. Sempre amiga das filhas e das irmãs, tinha o coração aberto para receber, tanto que também era próxima das amigas de ônibus e vizinhas.

Depois da sua partida, foi transformada em girassol pelos netos, que agora cultivam seus valores e semeiam todo o amor que Ceci deixou.

Ceci nasceu em Santa Rita (PB) e faleceu em São Paulo (SP), aos 59 anos, vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado pela filha de Ceci, Neidy Costa. Este tributo foi apurado por , editado por , revisado por Otacílio Nunes e moderado por Rayane Urani em 19 de outubro de 2020.