Sobre o Inumeráveis

Cláudia Stephanie Silva Damata

1989 - 2020

Ela era a pessoa que recebia com sorriso quem fosse à UPA em busca de cura. Com sua espontaneidade e simpatia fez muitos amigos.

Cláudia tinha muitos talentos e se enveredou por muitas áreas profissionais. Foi monitora de informática, atendente de telemarketing, fez cursos, estudou espanhol e se formou em Rádio e TV.

Mas foi como recepcionista de uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) que ela cumpriu sua maior missão. Estava na linha de frente na atenção aos pacientes que chegavam à UPA com sintomas de Covid-19. “Ela se arriscou muito, mas ela era assim e lutou até o fim”, conta Thiago, seu irmão.

A infância de Cláudia foi rodeada pela família Silva e Damata, com comemorações e festas que renderam ótimas lembranças. Quando ela debutou, aos 15 anos, a família esteve presente e pôde comemorar a beleza de sua juventude na festa organizada pelo pai.

Foi um dos momentos mais felizes da vida de Cláudia e o sentimento experimentado aquela noite transmutou em uma maravilhosa recordação. “Um ano depois, nosso pai faleceu e foi um baque tremendo”, relembra Thiago.

O momento difícil foi vencido com o colo e companheirismo da mãe, Ana Lúcia, e os incentivos do irmão que “não desistiu e a ajudou a caminhar”. Aliás, Clau tinha o irmão como um amigo e, planejava visitá-lo novamente no Chile, onde ele reside, nas férias de julho. Infelizmente, não foi possível esse reencontro dos irmãos.

Mas Clau viveu intensamente tudo o que pôde. Viajou o Brasil e o mundo com a simpatia e a espontaneidade que lhe eram comuns. Em suas andanças, absorveu culturas, sabores e experiências, além de ter feito amigos. “Ela fazia amizades por onde passava. Uma vez, ela conheceu uma carioca no aeroporto e fez amizade com a menina”, comenta o irmão.

Claudinha, como os amigos a chamavam, era assim, puro carisma. “A minha amiga era companheira para todos os momentos”, recorda-se a amiga Paula.

Cláudia era uma mulher prática, eficiente em tudo o que fazia e fã de rock. Trouxe felicidade e deixa uma saudade imensa no coração da sua mãe, de seu irmão e de seus muitos amigos.

“Todos sentiremos sua falta! Vá com Deus, amiga querida!”

Cláudia nasceu em São Bernardo do Campo (SP) e faleceu em São Bernardo do Campo (SP), , vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado pelo irmão e pela amiga de Cláudia, Thiago Silva Damata e Paula Barbosa Coelho. Este tributo foi apurado por Thyago Soares, editado por Gabriele Ramos Maciel, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 2 de agosto de 2020.