Sobre o Inumeráveis

Claudionor da Silveira Machado

1944 - 2020

Apaixonado por seus tratores, abriu caminhos para uma estrada de exemplos fortes onde deixa amor e alegria.

Um homem honesto, autêntico e muito querido por todos. Saudável e forte, seu próprio suor o levou as suas conquistas, das quais ele muito se orgulhava. Afinal, ser trabalhador sempre foi o maior exemplo que Seu Claudionor tinha a dignidade de passar adiante.

Seu sustento vinha de sua fazenda, onde morava com sua amada Helena, de quem era um supercompanheiro e viveram sempre bem juntinhos por cinquenta e dois anos. Acordava às três horas da manhã para tirar leite das vacas, tinha gado de corte, mas sua paixão eram os tratores. Uma verdadeira vida que unia muito trabalho a condições saudáveis e prazerosas.

Era muito alegre e sorridente... Chamava todos os netos de "totôti", adorava fazer gracinhas e fazê-los rir. Estava sempre disposto a ajudar as pessoas. E assim, ficam na memória e no coração daqueles que o conheceram, um rastro de lindas recordações.

Seu Claudionor deixa sua querida esposa, seis filhos, 13 netos, dois bisnetos e sete irmãos muito saudosos. "Cada um ajudou do seu jeito, fez tudo que estava ao seu alcance e cuidou do vovô mesmo com todo distanciamento necessário. Toda equipe médica lutou junto conosco", conta a neta Mayane Karla.

Homem forte, que viu sua fragilidade revelar-se ao enfrentar a ingrata enfermidade, que o abateu. Mas ainda assim, não desistiu e lutou até o fim.

Mayane despede-se e fala do orgulho que tem pelo avô: "Apesar de todo medo, você lutou até o fim e tudo aconteceu de acordo com sua vontade. Te admiro e sonho em ser ao menos metade do que o senhor foi. Sua família te ama. Já imprimi na minha pele uma frase que representa você, vô: 'seja forte e corajoso'. E assim estaremos sempre unidos."

Claudionor nasceu em Guarda-Mor (MG) e faleceu em Catalão (GO), aos 76 anos, vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado pelas netas de Claudionor, Mayane Karla Tavares Silveira e Thaynara Kássia Pires da Silveira. Este tributo foi apurado por Janaina Dias, editado por Denise Pereira, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 10 de setembro de 2020.