Sobre o Inumeráveis

Gilvan Bezerra Nascimento

1960 - 2020

Alegre, de bem com a vida e extrovertido.

Essas três características são a definição de Gilvan. O aracajuano atendia todos com o mesmo carinho e animação. Técnico em radiologia, ele trabalhou no Instituto Médico Legal (IML) de Sergipe, no Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE) e também atuou no Hospital Regional de Itabaiana.

O amor pelo próximo era uma marca registrada dele, na vida pessoal e no trabalho, pois buscava ajudar as pessoas, independentemente de quem fosse.

“Se chegasse no IML todos o conheciam como uma pessoa de bem com a vida. Vivia para o trabalho, para casa e para os filhos. Tinha amor pela família. Era uma pessoa de alto-astral, nunca estava triste ou resmungando. Ele era muito família e muito católico. Não tinha tempo ruim e dizia para ter fé em Deus. Era uma pessoa do coração maior do que ele. Sempre querendo ajudar o próximo. Deixa saudades”, contou a irmã, Marly.

Pai de cinco filhos, de duas uniões, e mais um, de criação, a perda dele foi um susto para os familiares. Com seu jeito alegre e incentivador, Gilvan era um dos principais responsáveis pelos momentos de alegria da família. Além de tudo, não gostava de transparecer seus problemas e os tomava somente para si.

“É uma doença traiçoeira que mexe com o emocional da gente, porque você fica isolado. Gilvan, infelizmente, estava acima do peso. Descobrimos que ele tinha diabetes e hipertensão só depois de testar positivo para a Covid-19. Ele sentiu os primeiros sintomas sem contar nada e ficou calado. O jeito dele era não querer preocupar os outros. Quem o conheceu sabe que ele era de bem com a vida, maravilhoso e um menino de muita fé. Apesar de a família ser grande, fica um buraco na alegria e descontração”, lembrou Marly, que também testou positivo para a doença, mas não teve sintomas.

Gilvan nasceu em Aracaju (SE) e faleceu em Aracaju (SE), aos 60 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pela irmã de Gilvan, Marly Bezerra Nascimento. Este texto foi apurado e escrito por Jornalista Demétrius Vinícius Santos de Oliveira, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 8 de outubro de 2020.