Sobre o Inumeráveis

João Marinho da Silva

1935 - 2020

Para ele, era sempre primavera. Amigo e amoroso, carregava no rosto um sorriso; nos braços, um abraço.

Simplicidade, generosidade, carisma e amor pela família. Essas eram as marcas registradas desse pernambucano que trazia sempre consigo um sorriso largo, acompanhado de uma palavra amiga que contagiava todos ao seu redor.

Querido em toda vizinhança, era uma pessoa muito amável e agradável. "Todos o queriam por perto para uma boa e longa conversa. Era um homem sábio, tinha os melhores conselhos para os piores momentos", conta a nora Monica.

A coisa que mais o fazia feliz era reunir a família em datas comemorativas. Fazia questão de ter todos ao seu lado. Gostava de casa cheia, netos correndo pela sala, risadas... "Era muito brincalhão, adorava contar seus causos e sempre tirava gargalhadas da família", afirma Monica.

Pai amoroso e dedicado, era orgulhoso de ter criado, com muito sacrifício, os cinco filhos. Estava sempre por perto para aconselhar e acolher. E, quando tinha oportunidade, falava sobre seu contentamento de os filhos terem se tornado homens e mulheres de bem. "Os filhos sempre foram seu maior e mais precioso tesouro", declara a nora.

Também tinha imensa devoção e amor pela esposa, com quem compartilhou todas as alegrias e dificuldades da vida. Segundo Monica, "eles foram muito felizes durante o tempo que Deus os permitiu. Viveu um casamento repleto de amor e companheirismo até o fim".

Religioso e muito devoto de Nossa Senhora Aparecida e São Sebastião, tinha como rotina, todas as manhãs, antes mesmo do nascer do sol, fazer suas orações em intenção a toda família. "Sempre que alguém da família passava por dificuldades, ele corria para suas orações", lembra a nora.

Mônica finaliza sua homenagem, em nome da família, falando do vazio e, ao mesmo tempo, das lembranças que ficarão para sempre: "sua partida deixou em nossos corações um vazio que nunca será preenchido, mas as flores que plantou deixarão para sempre seu perfume em nós".

João nasceu em Bom Conselho (PE) e faleceu em Arapiraca (AL), aos 84 anos, vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado pela nora de João, Monica de Oliveira Marinho. Este tributo foi apurado por Lígia Franzin, editado por Denise Stefanoni, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 19 de setembro de 2020.