Sobre o Inumeráveis

Jorge Conrado Passos

1954 - 2020

Gostava das pequenas alegrias: o jornal de domingo, as pessoas amadas e o pavê de sobremesa.

Por mais de meio século agente dos Correios – estatal na qual ingressou ainda durante a adolescência –, Jorge foi apelidado de “Major”. A longa e irretocável carreira lidando com cartas, telegramas e encomendas lhe conferia certa dignidade, que o público homenageava de modo tão bem-humorado.

Já adulto, após o primeiro casamento, que lhe deu três filhos, reencontrou um amor da puberdade, Zenídia, com quem se casou, teve mais duas filhas e viveu por vinte e dois anos.

Tinha hábitos simples. “Naquele tradicional domingo de manhã, sua rotina era passar na banca para fazer uma fezinha e comprar o jornal”, lembra a sobrinha Renata.

Gostava de churrasco, de reuniões em família, de estar com as pessoas queridas. Com ele “não tinha tempo ruim”, continua Renata. “Amante dos doces, sempre pedia para alguém fazer um pavê para a sobremesa.”

Jorge nasceu em Duque de Caxias (RJ) e faleceu no Rio de Janeiro (RJ), aos 64 anos, vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado pela sobrinha de Jorge, Renata Leal da Silva. Este tributo foi apurado por Lígia Franzin, editado por Joaci Pereira Furtado, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 18 de agosto de 2020.