Sobre o Inumeráveis

Luiz Gonzaga Ferreira

1950 - 2020

Médico do corpo e da alma de muitos de nós.

Luiz Gonzaga dedicou sua vida a ser, como os outros o chamavam, "um médico de corpo e alma", sobretudo das crianças, seus pacientes. Esse dom de cuidar do próximo era perene ao ser desse pediatra tão amado e reconhecido, responsável por salvar a vida de tantas crianças.

Talvez fosse sua calma que o levasse a ser sempre certeiro nos diagnósticos. Mas seu grande diferencial mesmo, era o oferecimento das palavras de conforto, a quem quer que fosse — paciente seu ou não. Quantas dessas crianças não estão por aí hoje fazendo a diferença no mundo graças a ele? Inumeráveis.

Além de médico por devoção, era também pai, tio, amigo e irmão. Desses responsáveis por unir a família e deixar bordões e manias inesquecíveis. Sua sobrinha-neta, Juliana Plastino, conta que entre eles, era comum dizer "tio Zaga falou, a água parou".

Piadas internas, ensinamentos, colos, risadas e tantas histórias vividas lado a lado: essa é a herança principal que ficará eternamente no coração dos que por aqui ficam.

-

"Grande como pessoa e excelente médico pediatra. Caridoso, deixou muita saudade dos cafés na cozinha do hospital São Jorge. Foi marido e pai maravilhoso, sempre pronto para ajudar. Dedicava a vida para as crianças." conta a colega Valeria.

-

Dr.Gonzaga como era chamado pelos pacientes ou Zaga como era chamado por amigos de tantos anos ou pelos familiares. Médico pediatra formado na USP.

Chegou em Barretos em 1980 e até o dia 18 de junho de 2020 trabalhou incansavelmente e com um profissionalismo ímpar.

O melhor pediatra de todos os tempos naquela região. Não errava um diagnóstico e nem um tratamento, foi amado pelas crianças e por seus pais
Amou e amando os até o fim quando foi chamado por Deus para tratar dos anjinhos lá do céu.

Trabalhando se contaminou e o vírus o levou, grande Dr.Gonzaga

Um herói que se foi. Deus agora é seu médico e dele está cuidando.

Barretos chora a sua partida.

-

“Oiiiii Tio Zaga, vim te ver”, era assim que muitas crianças saudavam o Dr. Luiz Gonzaga Ferreira na entrada de seu consultório. Ele se derretia todo.

O pediatra que sempre tinha uma bexiga no bolso para inflar e dar àquelas que corriam ao seu encontro quando o avistavam nos corredores do Hospital São Jorge, em Barretos. Sempre tinha também uma esperança para dar às famílias.

Uma bexiga, um abraço e um afago o pediatra e Tio Gonzaga dava aos seus pequeninos pacientes, que em seu consultório eram acolhidos por uma mesa cheia de bichinhos e paredes com quadros decorativos, ninados pela cascata de água que tocava músicas orquestradas.

Às mães dos pequenos, Tio Gonzaga dava confiança e apoio. Era concorrido agendar consulta com ele, mas uma vez findada a espera, dava para seguir com o tratamento de olhos fechados.

Trabalhou por mais de quarenta e cinco anos no Hospital São Jorge, em Barretos. “As crianças tinham tanta confiança nele”, diz a amiga Elaine, que conta que, além do carinho e amor, era comum ouvir relatos de gratidão, como: "ele salvou minha criança", "eu não tinha dinheiro para a consulta e ele, além de atender, deu todos os remédios" ou ainda, "minha filha anda hoje, graças a ele".

Dedicou sua vida ao hospital, e todo amor às crianças que acompanhava. “Quanto ele o queria bem a cada uma delas!”, diz Elaine.

Barretos parou em junho de 2020 e todos os cantos e orações foram feitos em prol do Dr. Gonzaga. Seus companheiros médicos, a equipe de enfermeiros e técnicos, ninguém mediu esforços para cuidar dele, que contraiu a doença bem quando exercia a profissão, cuidando dos outros.

Dr. Gonzaga parte fazendo o que mais amava até o último minuto em vida.

Que o amor que dedicou à profissão guie o doutor aonde for.

Luiz nasceu em Jaborandi (SP) e faleceu em Barretos (SP), aos 69 anos, vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado por familiares e amigos de Luiz, Juliana Plastino Duarte, Valeria Aparecida, Stella Maria de Paula e Elaine Cristina Feliciano da Costa. Este tributo foi apurado por Malu Marinho e Andressa Vieira, editado por Gabriela Monteiro, Ticiana Werneck e Ana Squilanti, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 29 de julho de 2020.