Sobre o Inumeráveis

Mirian Rossettini Orlandi

1948 - 2020

Ensinava o significado da música Cálice de Chico Buarque para a filha de 9 anos

Nascida e criada no Ipiranga em São Paulo, Mirian Rossettini Orlandi era neta de italianos, como o sobrenome não nega, que aportaram no Brasil após conseguirem fugir da 2a Guerra Mundial. Casou-se bem jovem com um filho de italianos e juntos tiveram 4 filhos. O sangue italiano e, tudo o que há de mais caloroso nele, estavam ali bem preservados para garantir a animação e agitação das festas em família.

Aos 36 anos, ainda muito jovem, Miriam ficou viúva. Começava ali, de maneira dolorosa, um segundo renascimento. Nascia uma mulher forte, mãe 24 horas e 7 dias por semana.

Sempre a frente do seu tempo, Mirian educava seus filhos Simone, Luciane, Cristiane e Wladimir de forma muito progressista. Debatia tão abertamente temas como sexualidade, política, que sua filha Cristiane, então com 9 anos, surpreendeu-se no colégio ao perceber que suas amiguinhas jamais haviam escutado falar de um tal de Chico Buarque e, muito menos, sobre uma tal música 'Cálice' e a metáfora que ela carregava contra o regime militar da época.

A criação de 4 filhos, sozinha, sem nunca ter encontrado um novo companheiro gerou, claro, suas dificuldades. Nos últimos 10 anos de vida apresentou um quadro depressivo e assim ficou menos comunicativa e mais reservada. Apesar disso, Mirian, sempre forte, ganhou consciência desse seu novo momento e cumpriu seus tratamentos de forma disciplinada.

Aos 71 anos, em Dezembro de 2019, recebeu especial homenagem no último Natal em família que passaria com os filhos. Um reconhecimento pela sua força e por dedicação integral a eles.

Miriam faleceu em São Paulo 5 dias antes de completar 72 anos. A saudade da mãe será eterna. A lembrança do macarrão com salsicha, marca registrada de Mirian e que fazia a alegria dos filhos, também.

Mirian nasceu São Paulo (SP) e faleceu São Paulo (SP), aos 72 anos, vítima do novo coronavírus.

História revisada por Rogério Oliveira, a partir do testemunho enviado por filha Cristiane Eppenstein, em 29 de abril de 2020.