Sobre o Inumeráveis

Murilo Leandro Alves da Silva

1979 - 2020

Um são-paulino que aproveitou a vida e deu valor à educação. Seu filho era seu maior orgulho.

Muka. Assim esse cara alegre ─ que fez aulas de forró e de dança de salão por uns tempos, que amava viajar e estar ao lado de muitos amigos ─ era chamado carinhosamente. Ele queria aproveitar a vida, como se soubesse que ela seria muito curta para ele.

Apesar de ter feito da capital capixaba sua morada, Muka era apaixonado pela terra natal e orgulhava-se de ter nascido na maior capital da América Latina, mesmo sabendo ser ela o avesso do avesso.

Um torcedor raiz, apaixonado pelo São Paulo FC. Seu coração acelerava ao entrar no Estádio do Morumbi. Uma vez foi visitar o campo e encheu o bolso de grama, levou pra casa feliz da vida. Porém, num dia de faxina, a mãe, dona Norma, jogou fora. Ela não sabia que se tratava de algo tão "valioso". Ele era assim! Tinha uma coleção de fotos tiradas com os maiores ídolos do time!

Murilo fazia amigos por onde passava. Na faculdade ─ um sonho concluído com orgulho ─ não foi diferente. Era inteligente, crítico e costumava falar sozinho "com seus botões"; era divertido, amigo leal como poucos na vida.

Além de Sampa e do tricolor paulista, outra paixão ─ a maior delas ─ era o filho Pedro, de 17 anos. Murilo foi um pai incrível, amava seu único filho e era zeloso com a educação dele. O filho sempre correspondeu à altura e tinham um pelo outro muito orgulho, carinho e admiração.

Murilo amava a mãe. Perdeu o pai em 2017, o que foi, com toda certeza, sua maior dor. O coração estava preenchido pela companheira Monique e seu maior sonho era ver o filho formado na faculdade. "A vida só muda através da educação", dizia ele constantemente.

Sexta-feira era seu dia da semana preferido. Onde Murilo chegava, chegava também a alegria. Seu sorriso iluminava, era generoso, animado e vivia dizendo: "Vamo marcar".

Murilo viveu intensamente, fez amigos leais, curtiu a família, o filho e deixou saudades eternas dos momentos felizes que jamais serão esquecidos.

Ao único filho ficaram as maiores recordações, ensinamentos e alguns de seus traços marcantes: a risada e a voz.

Murilo nasceu em São Paulo (SP) e faleceu em Vila Velha (ES), aos 41 anos, vítima do novo coronavírus.

Tributo escrito a partir de testemunho concedido pela ex-esposa, amiga e mãe do filho de Murilo, Joseane Cristina Pereira de Cássio. Este texto foi apurado e escrito por Lígia Franzin, revisado por Acácia Montagnolli e moderado por Lígia Franzin em 5 de abril de 2021.