Sobre o Inumeráveis

Rose Mary Saraiva da Silveira

1946 - 2020

Um ser de luz. Uma sabiá que foi repousar em outro ninho.

Uma verdadeira guerreira. Um ser de luz que, por onde passava, deixava seu rastro de bondade. Tristeza? Essa palavra ela desconhecia. Tinha um sorriso largo e frouxo... um olhar sereno e de muita sabedoria. O coração? Ah, o coração era imenso, gigante... um lugar onde sempre cabia mais um. Era, literalmente, um amor de mãe!

Uma mulher, esposa, mãe, filha, irmã, avó e bisavó que partiu sem dizer adeus.

Ela amava plantas e animais. Gostava de dançar, sem música, mexendo as panelas no fogão. Era uma pessoa simples, não tinha ambição, seu maior sonho era ver todos os filhos, netos e bisnetos vencerem na vida. Amava passear e ir para sua casa de praia, em Mosqueiro.

Rose Mary era muito religiosa também. Ah... e fazia um bolo chamado "bolo farofa", que todos amavam!

Um amor de mãe, dona de um coração onde sempre cabia mais um.

"Foi, como uma sabiá (amava a natureza), repousar em outro ninho. Minha amada vozinha!", assim, a neta Luana finaliza sua homenagem.

Rose nasceu em Belém (PA) e faleceu em Belém (PA), aos 73 anos, vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado pela neta de Rose, Luana da Silveira Guimarães. Este tributo foi apurado por Lígia Franzin, editado por Lígia Franzin, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 17 de setembro de 2020.