Sobre o Inumeráveis

Sebastião Jorge Perci do Carmo

1954 - 2020

Não tinha capa, nem superpoderes, mas nos defendia com unhas e dentes.

Esta é uma carta aberta de Daniela para o seu pai, Sebastião:

"Quem me conhece sabe que jamais gostei de super-heróis, nos desenhos até que sim, mas aqueles filmes da Marvel não me descem!

No entanto, eu tinha meu pai como um herói! Ele não tinha capa, nem superpoderes, mas nos defendia com unhas, dentes e o que fosse preciso.

Bodão, Tião, Sebastião, Jorge... era assim que o chamavam, mas eu tinha o prazer de poder dizer Pai! Quando eu insistia em ficar repetindo essa palavra,'Pai', às vezes só para irritá-lo, ele me olhava feio e soltava um sonoro 'Que qui é menina?'. Já ouviram essa frase na minha boca? Sim, eu sou ele 'de saia'!

Fisicamente, nem nos parecemos tanto. Sua fisionomia, quem herdou foi minha irmã; mas a personalidade, a força e a maneira de cuidar do outro, mesmo quando contrariado, certamente veio dele.

Tinha um coração enorme, que não cabia em seu peito!

Ah, meu pai, você já está fazendo tanta falta...

Tantos amigos, tanta gente que te amava tanto!

Tinha amor pelo futebol, loucura pelo Santos, e é bom saber que tive o prazer de torcer ao seu lado numa arquibancada pelo seu time do coração, mesmo sendo corinthiana.

E agora, meu pai?
Quem vai mandar eu falar baixo, com tanta intensidade?
Quem vai mandar eu colocar o chinelo e apagar a luz?
Quem vai dizer que não posso ficar loira e que minha unha está feia?
Quem vai dizer que “sou uma porca”, porque não lavo meu carro uma vez por semana?
Quem vai enfrentar, seja quem for, para me defender?
Quem vai trazer o chocolate que gosto na Páscoa?
Quem vai rodar São Paulo para achar cereja para mim no dia 25 de dezembro?
Quem vai me levar no mecânico ou no lugar que troca o óleo do carro?
Quem vai me chamar de tesouro, dizer que se orgulha de mim, me incentivar e torcer tanto pelo meu sucesso?
Quem vai dizer que eu não paro de dançar um minuto, mas contar para todos os amigos sobre a minha profissão?
Quem?

Eu te amo meu pai e você me fará falta por todos os dias da minha vida!
Meus aniversários não serão mais felizes sem você!

'Mas eu só quero lembrar
Antes que meu tempo acabe, para você não se esquecer
Que se Deus me desse uma chance de viver outra vez
Eu só queria, se eu tivesse você'

Eu te amo!"

Sebastião nasceu no Rio de Janeiro (RJ) e faleceu em Barueri (SP), aos 66 anos, vítima do novo coronavírus.

Testemunho enviado pela filha de Sebastião, Daniela Machado do Carmo. Este tributo foi apurado por Ricardo Pinheiro, editado por Lúcia Bettencourt, revisado por Lígia Franzin e moderado por Rayane Urani em 11 de julho de 2020.