INUMERÁVEIS

Memorial dedicado à história
de cada uma das vítimas do
coronavírus no Brasil.

Belford Roxo (RJ)

Carlos Alberto Cobé do Nascimento, 65 anos

Com Deus, ele estava sempre pronto para enfrentar qualquer coisa.

Jeferson da Silva Rezende, 38 anos

Trabalho, trabalho, trabalho... não tinha preguiça e corria atrás.

Rafael Ramos, 33 anos

Um rapaz muito bonito e, que por esta razão, na adolescência era chamado de “Mamão”.

Uelinton Jose Medeiros, 78 anos

Vibrava a cada vitória de todas as pessoas, mesmo as mais distantes.

Walmyr Oliveira da Silva, 65 anos

Achava que não existia nada melhor do que pão com sardinha e café.

não há quem goste de ser número
gente merece existir em prosa