INUMERÁVEIS

Memorial dedicado à história
de cada uma das vítimas do
coronavírus no Brasil.

Roraima

Ademir de Oliveira Lira, 90 anos

Colecionava elogios dos familiares, dos amigos e de quem mais o conheceu.

Alaídes Pereira Barbosa, 68 anos

Amante de rodeios, não deixava de participar de uma prova de laços.

Aristarco Oliveira da Silva, 38 anos

Com alto-astral e sorriso aberto, pastor Ari sempre oferecia apoio, acolhimento e uma palavra amiga.

Bernaldina José Pedro, 75 anos

Tomava banho, cantava e rezava de madrugada, como um ritual de gratidão.

Dimas José Raimundo de Almeida, 57 anos

Agregador de afetos e filho dedicado, caminhou pela vida sempre em alto astral.

Edite Terezinha Junglaus Acordi, 73 anos

A matriarca era uma avó maravilhosa e nutria um amor incondicional pela família.

Grecelio Gurgel Garcia, 47 anos

Amava mostrar seus dotes culinários. Era sempre elogiado.

João Pereira da Silva, 78 anos

Onde ele estivesse, não havia tristeza. Com 79 anos, dava saltos mortais na piscina e irradiava alto astral.

João Prado do Nascimento, 61 anos

Adorava ver a chuva e ouvir o som dela, e sempre dizia: "Sorria, você está sendo filmado".

Joelcimar Rodrigues da Silva, 50 anos

Homem temente a Deus. Destemido diante das atribulações. Hombridade foi seu maior legado, que permanecerá.

José Monteiro da Silva, 66 anos

Procurava todas as formas de não brigar com os filhos, dizia que conselho bem dado valia mais que uma palmada.

Luciano Peres Bonifácio, 68 anos

Gostava de contar histórias e sempre tinha uma palavra amiga para quem precisasse.

Luzia Sampaio da Silva, 74 anos

Uma serva de Deus que viveu para sua família.

Maika Ferreira Melo, 40 anos

A professora indígena que ensinou o amor e a dedicação à sua família e a seus amigos.

Marcos Antônio Ferreira de Andrade, 48 anos

Companheiro amoroso e apaixonado, dizia à esposa que só a morte os separaria.

Margarida Lourêdo, 66 anos

A mulher com nome de flor, que sempre multiplicou o amor.

Maria do Carmo Batista, 63 anos

Árdua Guerreira Amazônida, que por meio de sua bravura consolidou conquistas na Amazônia Profunda Setentrional.

Maria Lúcia Paixão, 66 anos

Aconchego de filhos e netos, sua casa era abrigo; sua presença, pilar e fé.

Mauro Leite de Oliveira, 87 anos

Construiu um legado de humildade, honestidade e resiliência, sempre com um tempo para nutrir o amor à música.

Odair Leite da Silva, 69 anos

Que exemplo de ser humano ele foi!

Pedro Acordi, 72 anos

Era um pai e avô maravilhoso, exemplo de homem, e pilar para a família.

Raimundo Nonato Leda dos Santos, 69 anos

Altruísta e amoroso, foi um pai não apenas para os filhos, mas para todos a quem acolhia.

Rosilda Demétrio Magalhães, 60 anos

Nutria a força feminina de seu povo e organizava as danças tradicionais dos Wapichana.

Theresa Bernadette Morenne Persaud, 35 anos

Uma pessoa sonhadora que adorava viver a vida intensamente. Sua alegria e seu sorriso nunca serão esquecidos.

Valdino da Gama e Melo, 80 anos

Um pai cuidadoso e um vizinho que era a alegria da rua.

Valmir Pereira de Melo, 71 anos

A generosidade e a alegria completavam o talento desse caboclo bonito que morria de medo de alma.

não há quem goste de ser número
gente merece existir em prosa