INUMERÁVEIS

Memorial dedicado à história
de cada uma das vítimas do
coronavírus no Brasil.

Volta Redonda (RJ)

Antonio Maia Braz, 75 anos

Uma pessoa reservada, mas a quem todos recorriam para pedir conselhos. Amava a natureza e os passarinhos.

Eduardo Ermida Filho, 73 anos

Os natais não serão mais os mesmos sem o primoroso trabalho de Dadinho do Presépio.

Eduardo Marques de Lima, 41 anos

Com certeza vão se divertir com ele que já chegou "do outro lado" cantando: "Seu pretinho chegou!"

Haroldo Horta, 85 anos

Foi um cronista apaixonado e grande defensor da sua muito amada Barra Mansa.

José de Almeida Junior, 77 anos

Fazia questão de acertar cada centavo do troco de doces e verduras que ganhava na rua.

Luiz Aurélio de Souza, 61 anos

Motociclista com um sorriso que iluminava tudo e todos a sua volta.

Luiz Pedro Gaione, 69 anos

Brincalhão ao extremo, apelidava e fazia graça com todos. Havia até quem cortasse caminho pra não ser zoado por ele.

Maria dos Reis Gomes, 84 anos

Zelava pela mesa farta, cercada por toda família.

Moacir dos Santos, 81 anos

Costumava questionar "tem algum docinho aí?" e era sempre prestativo com todos. Estas foram suas grandes marcas.

Paulo Martins de Lima, 76 anos

Boêmio da zona sul do Rio, demonstrava seu amor fazendo visitas inesperadas, ligações ou envios de SMS.

Raimundo Laesse Almeida, 49 anos

A qualquer favor que pedissem respondia "Deixe comigo, deixe comigo", e todos sabiam que ele faria o impossível para cumprir.

Sebastião Soares Filho, 73 anos

Maritaca, amigo guerreiro, sempre com um sorriso largo no rosto.

Viviane Peixoto Curi Moreira, 43 anos

Sempre com um sorriso no rosto, viveu intensamente, como se cada dia fosse o último.

não há quem goste de ser número
gente merece existir em prosa