INUMERÁVEIS

Memorial dedicado à história
de cada uma das vítimas do
coronavírus no Brasil.

Santos (SP)

Abílio Reigadas de Sá, 92 anos

Um português que se comovia ao relembrar passagens de sua terra de além-mar.

Adair Ferreira de Oliveira, 84 anos

Gostava de apreciar as coisas boas da vida, olhar o mar e tomar uma caipirinha.

Alberto Pereira Guedes, 82 anos

Orgulhava-se de ser o mais velho entre os seus. Gostava de cuidar de todos e era o orador oficial da família.

Alexandre dos Santos, 71 anos

Fã de futebol, gostava de acompanhar todas as partidas que aconteciam, especialmente as do Santos.

Antônio Carlos Mendes, 63 anos

Honesto e leal com as pessoas que ele amava. Marido, pai e avô apaixonado. O herói da família.

Aparecido Souza e Silva, 67 anos

Uma casinha na beira da praia e pescar era tudo que ele queria, desde que estivesse ao lado de sua amada Lena.

Arcilino Luizon, 73 anos

Quem o conheceu sabe que viver foi sinônimo de luta para alcançar os sonhos.

Arlindo Simões, 83 anos

Era conhecido como "Vô do Futebol" e "Arlindão Zagalo", pois parecia um treinador nos campeonatos e treinos dos netos.

Assussena Audi Kalaf Eu, 92 anos

Deixou um legado de alegria a todas as pessoas próximas.

Brazil Montalvao Marques, 64 anos

Um guia de turismo apaixonado por viagens e que fazia jus ao nome.

Celso Aparecido Bizerra, 57 anos

Cuidou da amada com sorrisos e carinhos; deixava a escova de dente dela já com o creme dental, na pia, antes de se deitar.

Daisy de Almeida Bernardo, 85 anos

Trazia nos lábios coloridos o sorriso daqueles que vivem intensamente, sem medo de ser feliz.

Darcy Moraes, 84 anos

Fazia os outros rirem durante horas com seus segredos ao pé do ouvido que de discretos não tinham nada.

Gabriel Martins, 0 anos

Passou a maior parte da vida na barriga da mãe. E ali dentro foi muito amado.

Gelson da Silva Crisóstomo, 67 anos

Levava alegria onde quer que fosse, fazendo sorrir cada um que se aproximasse dele.

Gilmar Ribeiro Munhos, 58 anos

Detalhista com a arte, divertido ao lado da família, bondoso na rua e na vida.

Ginalva Marinho dos Santos, 56 anos

De muitas gírias, era pura alegria e risadas.

Giovanni Paolucci, 81 anos

Gigio, como era conhecido, tinha o dom da comunicação. E era muito cativante.

Iracy Ferraz Herrmann, 99 anos

Baby, uma mulher sensível.

Ivan Willians Lisboa, 42 anos

Se dependesse dele, a vida seria para sempre uma festa.

João Bueno da Silva, 79 anos

Um pai espetacular, um marido sem igual.

João Francisco Arruda Silveira, 74 anos

"O peixe morre pela boca", dizia ele.

Joel Primo, 60 anos

Como era belo esse sonhador que amava fazer planos.

José Bazílio de Oliveira, 73 anos

Conduziu a vida através dos remos, em direção à mais pura felicidade. ​

José Carlos Marujeiro de Matos, 71 anos

Fez de sua profissão um ato de heroísmo.

José dos Santos, 83 anos

Por onde quer que passasse, destacava-se pela calma, generosidade e paciência.

José Jorge Silva, 70 anos

Carrega nome de guerreiro: Jorge. Exatamente como ele era.

José Luiz Souza, 66 anos

Ele era da arte. Como gesseiro, carregava talento nas mãos. Um exímio artista plástico.

José Pedro Rossetti, 65 anos

Era um homem de amores, especialmente à família, à pesca, aos animais e ao bigode.

Keila Barbosa de Jesus, 39 anos

Tal qual mariposas em torno da luz, amigos se reuniam ao seu redor sem risco de se queimarem: ela aquecia corações.

Leandro Santos de Oliveira, 38 anos

Sempre contava alguma mentirinha, do tipo boba, e que já desmentia, na mesma hora.

Lia Campos Perez Pereira, 62 anos

Viveu para amar as netas e ser amada por todos.

Luiz Eduardo Ayres Ramos, 48 anos

Dedicado à saúde do próximo, conquistou o amor e o respeito de todos que o conheceram.

Luiz Fernando Ferreira Costa, 76 anos

Vivia dizendo que não queria animal algum em casa, mas acabou se rendendo ao amor do cãozinho Zen Zen.

Manuel Vieira do Nascimento, 89 anos

À beira do mar, pôde contemplar em paz uma vida de muitas batalhas.

Maria Aparecida de Souza Siqueira, 74 anos

Amava o Natal. Costumava enfeitar o lar como se fosse a casa do Papai Noel.

Maria da Graça Genaro, 69 anos

"Agora vou tomar meu café, apesar de acordar todos os dias na hora do almoço" era a frase que Maria mais dizia.

Maria Emília de Lima, 79 anos

Impecável em tudo que fazia, era apaixonada pela família e pelo Natal.

Maria Isabel Nascimento, 68 anos

Dona de um sorriso largo, igual ao seu coração, e de um abraço que confortava a alma.

Mário Onishi, 76 anos

Viveu sua vida sem incomodar ninguém. Tímido e reservado, para ele tudo estava sempre bem.

Mozart Maia Moura, 70 anos

Em todos os sentidos, escreveu a sua própria história.

Neide Maria da Silva Cardoso Ramon, 61 anos

O que mais alegrava seu coração eram as viagens, estar junto da família e dos irmãos do Salão do Reino.

Nelo Bocuto, 87 anos

Apaixonado pela natureza.

Nilce Rodrigues Pontes, 78 anos

A generosidade foi a sua grande virtude.

Nívia Cordoni, 81 anos

A vida lhe emprestará o nome como apelido, e como imperativo, VIVA!

Osvaldo Machado Júnior, 63 anos

Anestesista admirado e respeitado, sua maior habilidade era despertar sorrisos.

Oswaldo de Jesus, 79 anos

Ele acordava antes de todo mundo e cortava as frutas para o café da manhã. Nunca via maldade nas pessoas.

Palmyra Vaz, 90 anos

Era uma taurina determinada. Uma mulher de inúmeras virtudes e qualidades, que amava ir à praia aos domingos.

Pedro Vieira de Araújo, 91 anos

Demonstrava seu amor pelos sobrinhos distribuindo guloseimas nas tardes regadas a sambas das antigas.

Raimunda Marrocos dos Santos, 74 anos

Ao som de Roberto Carlos, lidou com a saudade da terra natal em busca de novos sonhos.

Raul Gomes Marques, 91 anos

Um homem cheio de amor, risadas e muitas histórias.

Rubens dos Santos Ramos Filho, 49 anos

Gostava de cantar e dançar para alegrar os ambientes.

Rute Costa Silva, 76 anos

Vovó Rute... um exemplo de amor ao próximo.

Sérgio Amâncio Tristão, 65 anos

Apaixonado pela esposa, era capaz de entendê-la com um simples olhar.

Silvio Leopoldo Druwe Xavier, 75 anos

A alegria de viver era sua motivação para todos os dias.

Silvio Luiz Lopes de Matos, 57 anos

Sua presença e voz forte jamais serão esquecidas.

Tai Takizawa, 82 anos

De poucas palavras, mas nem eram necessárias. Seu sorriso falava por ele.

Waldomiro Ramos Fernandes, 83 anos

Cultivava com cuidado e carinho especial suas belíssimas samambaias.

Walter Machado Etinger, 56 anos

Padeiro, pai, companheiro e amigo. Um brincalhão de coração bom e justo.

Wilson dos Santos, 73 anos

Poeta, escrevia cartas e bilhetes cheios de amor e com a caligrafia tão bonita quanto ele.

Ziluara Volpe Espíndola, 65 anos

Uma professora estudiosa que transbordava amor, garra, resiliência e dedicação.

não há quem goste de ser número
gente merece existir em prosa