INUMERÁVEIS

Memorial dedicado à história
de cada uma das vítimas do
coronavírus no Brasil.

Paraná

Adelmo Azevedo da Cruz, 52 anos

Uma alma boa, que viveu por amor e só foi amor por onde passou.

Ademar Rodrigues, 68 anos

Tocador de gaita e contador de piadas, espalhava riso e alegria por onde passava.

Antônio Bono Medina, 68 anos

Nico ensinou o que é ser feliz. Ensinou a viver e não ter vergonha de ser feliz!

Ardisson Mauro Vaz, 46 anos

Viveu o amor incondicionalmente e foi feliz, muito feliz.

Claudete Gonçalves Pereira Chiquiti, 55 anos

Com as selfies que tirava a todo momento, registrava seus melhores sorrisos.

Elzo Kerson Ravanelli, 59 anos

Dividia seu coração entre o Londrina Esporte Clube e a doce Luiza.

Emerson Nascimento, 46 anos

Um eterno viajante e trabalhador incansável.

Franciele Hidalgo Costa, 39 anos

Era a espevitada da família. Aonde ela chegava, virava festa.

Gérson Lacerda de Souza, 52 anos

Ele distribuía doses de alegria, que alimentavam sorrisos e corações.

Guilherme Gonçalves Landin, 57 anos

O Urso que ria e chorava ao mesmo tempo. Até para dar bronca era gentil.

Helena do Nascimento Carvalho, 80 anos

Transbordava generosidade aos necessitados. Ah, Dona Helena, que mulher especial!

Hugo Antonio Konart, 65 anos

A alma de criança e o espírito jovial faziam dele um menino.

Irani dos Santos Silva, 75 anos

Filha de Maria, onde a alegria e a fé fizeram morada.

Jair Sebastião de Souza, 74 anos

Vai, Jair... tocar sua viola no Céu!

João Martins Pereira, 77 anos

Foi pondo a mão na massa que ele construiu uma vida melhor para os outros.

Joel Pereira Barbosa, 52 anos

A fala mansa ecoava o grande desejo de ver a família unida.

Jorge Luiz Guérios Curi, 64 anos

Um guerreiro que enfrentou as dificuldades com alegria, força e amor.

José Aparecido Pavão, 59 anos

Sempre levava café na cama para a esposa. Dessa união, nasceram Leandro e Lucas, suas reticências no mundo.

José Casturino Ferreira da Silva, 71 anos

Voltou a ser criança para acompanhar o amado neto.

José Donisete Xavier, 60 anos

Ele enviava "bom dia" para todos da sua agenda de contatos.

José Vieira, 87 anos

Quem quer garapa, melado e rapadura do seu Zé Alagoano?

Josué de Ramos, 22 anos

Mesmo jovem, já planejava abrir padaria com seu nome. Aos amigos, distribuía sorrisos e alegria contagiante.

Junio Eiji Kajihara, 52 anos

Referência de carisma, gentileza e boa conversa em Maringá.

Leoni Barbosa Pereira, 74 anos

Acolhia todos com um grande abraço.

Luciane Malko Freiberger, 34 anos

Mulher, filha, aluna, amiga, esposa, engenheira e fisioterapeuta com muito amor.

Luiza Souza de Matos, 83 anos

Traduzia seu aconchegante amor em gestos e doces.

Marcos Feldman Filho, 62 anos

"A vida é a arte do encontro", ele dizia.

Marcos Pereira Peres, 40 anos

"O Peres chegou!", assim ele anunciava a sua presença.

Maria Celina Célio, 52 anos

Colocava todos pra cima, onde ela chegava não tinha espaço para a tristeza.

Maria de Fátima Lemes, 59 anos

Uma guerreira, devota de Nossa Senhora Aparecida e amada por todos a sua volta.

Marilda Teixeira Lopes Gasparino, 50 anos

Amou a vida e viveu da forma mais linda.

Milton Luiz Ciappina, 72 anos

Um excelente médico, uma excelente pessoa.

Miria Dalfovo Cicarello, 63 anos

Era alegre e gostava de festa. Não perdia um baile dos anos 70.

Orvalino Rodrigues Lisboa, 94 anos

Dono de um charmoso cabelo grisalho e uma "risada que abraçava".

Osvaldo Broca, 84 anos

Não era de muitas palavras, mas deixou poesia em vida: 15 filhos.

Raimundo Gregório Sobrinho, 89 anos

Um cearense de coragem, honestidade e alegria. Deixou gravado seu sorriso largo no coração de todos.

Regina Aparecida Lima, 56 anos

Mãe costuma ser doce, mas Regina... tinha um tanto a mais de açúcar!

Roseli Cavazotti, 75 anos

Vovó cheia de vida que tinha mãos de fada na cozinha.

Sadi Rodrigues da Silva, 70 anos

O irmão da sanfona, conhecido em todas as CCBs de Londrina.

Sergio Cassins, 52 anos

Chegado a uma boa refeição e séries policiais, amou a família acima de tudo.

Teresa Muller, 68 anos

Cuidava de todos, com delicadeza e carinho.

Terezinha Hilário dos Santos, 85 anos

Uma guerreira! Assim foi Terezinha, depois de passar por tantas batalhas sem nunca perder a força.

Valdirene Aparecida Ferreira dos Santos, 39 anos

Profissional de saúde por paixão e vocação, sonhava com um mundo em que todos tivessem um atendimento digno.

Vlademir Ferrari, 49 anos

Caminhoneiro apaixonado pela profissão e pela família. Um homem-menino de alegria radiante.

Waldomiro Marciano de Souza, 81 anos

Ele partiu, mas deixou a saudade para lembrar que um amor genuíno e lindas memórias nem a morte consegue roubar.

não há quem goste de ser número
gente merece existir em prosa