INUMERÁVEIS

Memorial dedicado à história
de cada uma das vítimas do
coronavírus no Brasil.

Paraná

Adelmo Azevedo da Cruz, 52 anos

Uma alma boa, que viveu por amor e só foi amor por onde passou.

Ademar Rodrigues, 68 anos

Tocador de gaita e contador de piadas, espalhava riso e alegria por onde passava.

Aldevino Francisco Gomes, 90 anos

Um homem que amava a vida e aproveitou cada momento.

Antônio Bono Medina, 68 anos

Nico ensinou o que é ser feliz. Ensinou a viver e não ter vergonha de ser feliz!

Antonio Carlos Nascimento Pivatto, 83 anos

Comunicativo, marcou a vida de muitos com suas piadas e brincadeiras.

Antônio Garcia de Souza, 63 anos

Desapegado das riquezas, tornou a vida mais leve e o voo mais alto.

Antonio Moreira Bispo Neto, 74 anos

Uma eterna criança arteira com sabedoria para olhar nos olhos do outro ao ouvir e aconselhar.

Ardisson Mauro Vaz, 46 anos

Viveu o amor incondicionalmente e foi feliz, muito feliz.

Bóris Hugo Georgiev Mercaldo, 65 anos

Sinônimo de simpatia. Estava sempre de braços abertos para quem precisasse de afago e calmaria.

Carlos Alberto Lino, 57 anos

Um eterno apaixonado que amava escutar Roberto Carlos, apreciar vinhos e sair para pescar.

Caudiovina Leite Neves, 90 anos

Cultivou muitas flores e um amor inebriante por sua família. Era uma bordadeira impecável.

Cirino Hercílio Soares, 70 anos

Como sustento: tesouras e mãos mágicas. Já para os seus, como marca, ficam a alegria de viver e um amor lindo.

Claudete Gonçalves Pereira Chiquiti, 55 anos

Com as selfies que tirava a todo momento, registrava seus melhores sorrisos.

Clementina Veneranda dos Santos, 67 anos

Além das habituais palavras sábias, os que partilhavam sua mesa conheciam seu talento na cozinha e nas piadas.

Daiana Sthefanne Costa da Silva, 33 anos

Um verdadeiro girassol que foi graça, força e luz por onde passou.

Dalva Gomes Ferreira, 64 anos

Uma avó que brincava com os netos.

David Alcazar, 67 anos

Era conhecido pelos amigos como um “grande homem” por ter um coração generoso.

Dorizon Pascoal de Oliveira, 61 anos

Seu brilho encantava as pessoas ao redor e sua grandeza se refletia no cuidado com o próximo.

Elzevir Ferreira dos Santos, 76 anos

Um aposentado de coração lindo e cheio de histórias pra contar.

Elzo Kerson Ravanelli, 59 anos

Dividia seu coração entre o Londrina Esporte Clube e a doce Luiza.

Emerson Nascimento, 46 anos

Um eterno viajante e trabalhador incansável.

Fabiana Viel Carvalho, 37 anos

Além do sorriso no rosto, nunca lhe faltaram humildade, sonhos e coragem para as batalhas.

Fábio Batista Nogueira, 36 anos

Sua alegria e força de vontade para lutar pelos sonhos eram imensas. Queria estar sempre com a família.

Fernanda Capelin Besla, 25 anos

Viveu muito em tão pouco tempo, pois sabia como aproveitar os momentos: com gargalhadas, jantares e viagens.

Franciele Hidalgo Costa, 39 anos

Era a espevitada da família. Aonde ela chegava, virava festa.

Francisco Caetano da Costa, 85 anos

Como todo bom cristão, sua preocupação maior era o bem-estar do próximo.

Francisco Senra Neto, 73 anos

Além de criativo e visionário, Chico Senra era um colecionador de amigos.

Geraldo de Souza, 85 anos

Apesar das dificuldades da vida, jamais deixou de amá-la intensamente.

Gerhardt Arthur Krüger, 94 anos

Amante da música clássica e torcedor do Grêmio e do Ypiranga, seu espírito livre tinha ainda muita gana de viver.

Gérson Lacerda de Souza, 52 anos

Ele distribuía doses de alegria, que alimentavam sorrisos e corações.

Giovani de Jesus Pesuscki, 52 anos

Vestido de Papai Noel, tornava o Natal em família mais divertido e cheio de vida.

Guilherme Gonçalves Landin, 57 anos

O Urso que ria e chorava ao mesmo tempo. Até para dar bronca era gentil.

Haroldo Cordeiro Filho, 75 anos

Gostava de passar o tempo de um jeito peculiar: pintando a sua casa e a dos amigos.

Helena do Nascimento Carvalho, 80 anos

Transbordava generosidade aos necessitados. Ah, Dona Helena, que mulher especial!

Hilda Machado Bozza, 81 anos

Era como um caule forte sustentando e nutrindo muitos galhos; sua vida foi exemplo de caridade e doação.

Hugo Antonio Konart, 65 anos

A alma de criança e o espírito jovial faziam dele um menino.

Irani dos Santos Silva, 75 anos

Filha de Maria, onde a alegria e a fé fizeram morada.

Jair Oliveira dos Santos, 49 anos

Tinha uma risada inconfundível. E era quem mais aproveitava os almoços e aniversários de família.

Jair Sebastião de Souza, 74 anos

Vai, Jair... tocar sua viola no Céu!

Jairo Rafael Trindade, 31 anos

Um jovem cuidador de seres humanos, sonhador, apaixonado por filmes, futebol e pagode.

Jeanete de Jesus Gomes Carneiro, 44 anos

Andou com a fé moldada em sorrisos.

João Borges de Oliveira, 69 anos

O abraço carinhoso era seu jeito de sentir e demonstrar carinho.

João Martins Pereira, 77 anos

Foi pondo a mão na massa que ele construiu uma vida melhor para os outros.

Joel Cardoso de Oliveira, 71 anos

Um missionário que usou sua voz potente e seu riso contagiante para levar Jesus às vidas de muitas pessoas.

Joel Pereira Barbosa, 52 anos

A fala mansa ecoava o grande desejo de ver a família unida.

Joel Queiroz Machado, 79 anos

Gostava de assoviar músicas do tipo sertanejo raiz; e de compartilhar histórias da sua juventude.

Jorge Luiz Guérios Curi, 64 anos

Um guerreiro que enfrentou as dificuldades com alegria, força e amor.

José Aparecido Pavão, 59 anos

Sempre levava café na cama para a esposa. Dessa união, nasceram Leandro e Lucas, suas reticências no mundo.

José Carlos Mendes, 70 anos

Ligado às raízes, viveu para a família e para o trabalho. Bom ouvinte e amigo, tinha sempre alguma história para contar.

José Casturino Ferreira da Silva, 71 anos

Voltou a ser criança para acompanhar o amado neto.

José Donisete Xavier, 60 anos

Ele enviava "bom dia" para todos da sua agenda de contatos.

José Henn Neto, 60 anos

Apaixonado por carros e corridas, andava de mãos dadas com a alegria e a generosidade.

José Primo Salvador, 72 anos

Tinha o poder de reunir as pessoas e de fazê-las sorrir.

José Vieira, 87 anos

Quem quer garapa, melado e rapadura do seu Zé Alagoano?

Josué de Ramos, 22 anos

Mesmo jovem, já planejava abrir padaria com seu nome. Aos amigos, distribuía sorrisos e alegria contagiante.

Junio Eiji Kajihara, 52 anos

Referência de carisma, gentileza e boa conversa em Maringá.

Leoni Barbosa Pereira, 74 anos

Acolhia todos com um grande abraço.

Lincoln Robson Dezenciol, 46 anos

O motorista que guiou sua vida orientado pelo amor à família e pela paixão ao futebol.

Lucas Pires Augusto, 32 anos

Lucas foi um homem de muitas conquistas. A maior delas, seu maior orgulho, foi sua família.

Luciane Malko Freiberger, 34 anos

Mulher, filha, aluna, amiga, esposa, engenheira e fisioterapeuta com muito amor.

Luis Carlos dos Santos Faria, 49 anos

Otimista, viveu para cuidar da família e para realizar seus sonhos, sempre ao som de Milionário e José Rico.

Luiz Carlos Azevedo, 47 anos

Enfermeiro muito querido, sua partida comoveu a cidade, que lhe fez carreatas e muitas homenagens.

Luiz Gonzaga dos Santos, 59 anos

Sorriso largo, de sonhos e fé maiores que ele. Pai amoroso e amado, fazia um delicioso bolo de fubá.

Luiza Souza de Matos, 83 anos

Traduzia seu aconchegante amor em gestos e doces.

Marcos Feldman Filho, 62 anos

"A vida é a arte do encontro", ele dizia.

Marcos Pereira Peres, 40 anos

"O Peres chegou!", assim ele anunciava a sua presença.

Maria Alice Alves de Sousa, 54 anos

Boa de papo, aproveitava esse dom para fazer novas amizades e espantar a solidão.

Maria Aparecida da Silva, 62 anos

Maria era o amor, o carinho, o cuidado e a alegria em pessoa; estar perto dela era estar ao lado da paz.

Maria Celina Célio, 52 anos

Colocava todos pra cima, onde ela chegava não tinha espaço para a tristeza.

Maria de Fátima Lemes, 59 anos

Uma guerreira, devota de Nossa Senhora Aparecida e amada por todos a sua volta.

Maria Helena Alves de Oliveira, 67 anos

A melhor boleira da família, aquela que atendia todos os pedidos com satisfação.

Maria Rita Peretti, 83 anos

Pintou sua alegria nos corações curitibanos e recebeu o título de “idosa mais fotogênica de Curitiba".

Maria Zilda Gabriel da Silva, 79 anos

Mãe, avó, bisa e amiga para todas as horas.

Marilda Teixeira Lopes Gasparino, 50 anos

Amou a vida e viveu da forma mais linda.

Mauro Aparecido dos Santos, 66 anos

Dom Mauro tinha coragem para enfrentar os poderosos e acolher os pecadores, tudo isso com muito amor.

Milton Luiz Ciappina, 72 anos

Um excelente médico, uma excelente pessoa.

Miria Dalfovo Cicarello, 63 anos

Era alegre e gostava de festa. Não perdia um baile dos anos 70.

Mônica Alencar Lunardon, 34 anos

Simpática e sorridente como só ela sabia ser.

Neide Maria Lucas Sanches, 56 anos

Os conselhos e a companhia dela eram mais doces que o mel.

Nilton Ferreira, 57 anos

Fã de Raça Negra, não abria mão de uma boa feijoada.

Nilza de Oliveira Ladeira, 83 anos

A alegria e o bom humor moravam em seu coração! Amava carnaval e era apaixonada pelos seus três cachorrinhos.

Odgar Nunes Cardoso, 60 anos

Foram 31 anos dedicados a servir e guardar a vida das pessoas.

Orvalino Rodrigues Lisboa, 94 anos

Dono de um charmoso cabelo grisalho e uma "risada que abraçava".

Osvaldo Broca, 84 anos

Não era de muitas palavras, mas deixou poesia em vida: 15 filhos.

Osvaldo Rocha da Silva, 59 anos

Ao se tornar avô, ele deixou a timidez de lado para expressar todo o amor que tinha dentro do peito.

Paulo Lopes dos Anjos, 59 anos

Fazia todos sorrirem. Viveu intensamente cada momento com sua família e seus amigos, como se não houvesse amanhã.

Paulo Sérgio Bernardino, 41 anos

Sua marca primeira era fazer tudo com calma. Depois vinha o sorriso fácil.

Pedro Martins de Oliveira, 80 anos

Seu Pedro... Querido Pedro... Vô Pedro... Um ser humano incrível!

Raimundo Gregório Sobrinho, 89 anos

Um cearense de coragem, honestidade e alegria. Deixou gravado seu sorriso largo no coração de todos.

Raquel da Silva Ferreira, 47 anos

Cantava o amor em tons suaves e reais. Foi um exemplo de determinação, garra e bondade.

Regina Aparecida Lima, 56 anos

Mãe costuma ser doce, mas Regina... tinha um tanto a mais de açúcar!

Reinaldo Marconcin, 74 anos

Dividia o coração entre o amor pela família e pelo clube de futebol.

Rosa Barrozo Antunes, 59 anos

Uma flor com um sorriso imenso e que deixava cheiro de alegria por onde passava.

Rosa Inez Santanelli, 48 anos

Viveu com o nome e o destino da flor: espalhar amor e deixar seu perfume mesmo depois de sua partida.

Rosa Romano Mendes, 83 anos

Uma mulher destemida e amável, especialmente bondosa e preparada pra tudo, tudo mesmo!

Roseli Cavazotti, 75 anos

Vovó cheia de vida que tinha mãos de fada na cozinha.

Rozeli Gamarros de Oliveira, 61 anos

A eterna Dona Rosa deixa exemplo de otimismo, amor e dedicação à família.

Rui Carlos Gunha, 63 anos

Batalhador e essencialmente família, Era a alegria em pessoa.

Sadi Rodrigues da Silva, 70 anos

O irmão da sanfona, conhecido em todas as CCBs de Londrina.

Sergio Cassins, 52 anos

Chegado a uma boa refeição e séries policiais, amou a família acima de tudo.

Sonia Maria Bueno Mattos, 57 anos

Possuía um sorriso cativante. Era carinhosa e dedicada à educação.

Talita Mariano de Aguiar, 27 anos

Tinha uma valentia de tirar o fôlego, e um tempero de dar água na boca.

Teresa Muller, 68 anos

Cuidava de todos, com delicadeza e carinho.

Terezinha Hilário dos Santos, 85 anos

Uma guerreira! Assim foi Terezinha, depois de passar por tantas batalhas sem nunca perder a força.

Valdirene Aparecida Ferreira dos Santos, 39 anos

Profissional de saúde por paixão e vocação, sonhava com um mundo em que todos tivessem um atendimento digno.

Valentin Chirea, 68 anos

Para ele, cada dia era uma oportunidade para uma nova aventura.

Valnei Ghedin, 71 anos

Traduziu sonhos em concreto sem deixar de mirar a lua.

Vilmar Heck, 55 anos

Dono do café que cheirava longe, e do olho verde bem pequenininho que brilhava quando ele chorava.

Vlademir Ferrari, 49 anos

Caminhoneiro apaixonado pela profissão e pela família. Um homem-menino de alegria radiante.

Waldomiro Marciano de Souza, 81 anos

Ele partiu, mas deixou a saudade para lembrar que um amor genuíno e lindas memórias nem a morte consegue roubar.

Wanderlei de Almeida, 67 anos

Ensinou que é preciso pouco para ser feliz nesta vida.

Wilson Luis Hanysz, 69 anos

O Gordinho gentil que era apaixonado por sua Dianete e tinha a gargalhada mais gostosa de todas.

Zeíla Duarte Lopes, 86 anos

Delicada, elegante e amorosa, era Zeíla a "cola" que unia a todos.

Zenaide Lopes de Souza, 64 anos

Trabalhadora, alegre e teimosa, era dona do bar mais badalado da cidade.

Zilda da Silva Costa, 60 anos

Seus bolos de coco eram famosos, assim como seu coração enorme e os presentes que comprava para todos.

não há quem goste de ser número
gente merece existir em prosa