INUMERÁVEIS

Memorial dedicado à história
de cada uma das vítimas do
coronavírus no Brasil.

Manaus (AM)

Ademir Castro Pinto, 69 anos

Entre peixes e pequenos presentes, suas demonstrações de afeto que jamais serão esquecidas.

Adrian Priscilla, 27 anos

Dono de uma luz que nunca se apagará.

Agenor Monteiro da Silva, 78 anos

Pescador e contador de histórias.

Albanita Santana, 85 anos

Mamãe Velha, bons eram os seus bolinhos de chuva.

Aldevan Baniwa, 46 anos

Sabia enxergar os cogumelos luminescentes da floresta.

Aldevan Brazao Elias, 46 anos

Um bravo doce...

Alessandro Páscoal de Souza, 40 anos

Enfermeiro apaixonado pela profissão e pelo Flamengo, amava também o feijão bem temperadinho de sua mãe.

Alex Pedro Pinheiro de Souza, 41 anos

Era um homem alegre e de um humor diferenciado, que sempre fazia piada de tudo.

Amadeu Pinho Prestes, 91 anos

A fé não foi em vão. Seguiu feliz e fiel ao encontro do Pai.

Amália Brandão Ribeiro, 53 anos

Uma mulher amazonense que sonhava em estudar gastronomia e era conhecida por todos pelo seu delicioso vatapá.

Amaro Ribeiro dos Santos, 67 anos

Andava sempre bem-vestido e perfumado. Tratava as filhas por "princesas" e se derretia pelos netos.

Amazonilda de Freitas Gama, 81 anos

Nildinha levou seu João Batista para juntinho dela, lá no céu; ele pediu, ela veio buscar.

Ana Valéria da Costa Matos, 51 anos

Ela amava viajar e viver o doce sentimento de conhecer novos lugares.

Angelila Oliveira de Medeiros, 53 anos

Uma apaixonada por pessoas, conversas e café.

Antonio Carlos Maia Santana, 62 anos

Foi amigo de todos, generoso e com um coração de ouro.

Antônio da Costa Neves, 69 anos

Enxergava com olhos que refletiam vivências e fornecia os abraços mais aconchegantes de todo o norte do país.

Antônio José Ferreira de Vasconcelos, 66 anos

Ao contrário do seu apelido, Ferrugem, foi o pioneiro no Amazonas a fabricar biojoias.

Antonio Pinto de Andrade, 68 anos

Encantador, bondoso e generoso. Antonio foi amor em vida e agora é luz, lá no céu.

Antônio Telles Gama, 66 anos

“Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé.”

Arlindo de Jesus Sá, 72 anos

Quando ações valem realmente mais que palavras. Com dedicação e amor, deixou lembranças gravadas na família.

Arnaldo Bentes Brasil, 89 anos

Alegria para sorrir, disposição para dançar e muitas histórias para contar.

Audir Alcântara Lopes, 62 anos

Alguém que ensinou muita gente a ler, escrever e amar.

Ayude Ribeiro dos Santos, 54 anos

Um homem de muitos amigos: os de uma vida inteira e, aqueles, que fazia facilmente em qualquer lugar onde chegava.

Cairo José Ferreira Gama, 41 anos

Sob seu chapéu viviam as almas e as mentes dos jovens de Manaus.

Carlos Alberto Xavier Braga, 54 anos

Tinha uma facilidade incrível de fazer paródias, principalmente com músicas do Roberto Carlos.

Carlos Rodrigues dos Santos, 64 anos

"Eu não sou velho pra ficar tomando mingau", dizia ele, em tom de brincadeira, quando queria outra refeição.

Cineide Teixeira da Silva, 49 anos

Tinha braços abertos para o amor.

Clauber da Silva Cavalcante, 55 anos

Flamenguista de coração e o cantor favorito da família. Aonde ia, levava o microfone e a caixinha de som.

Claudio de Miranda Pereira, 65 anos

Alguém que trouxe leveza ao peso da rotina.

Clemilton Isaias Torres, 68 anos

Tinha pressa para tudo, e por isso, viveu intensamente.

Cliciane Ferreira Fochesatto Vieira, 38 anos

Médica que tinha sempre um sorriso no rosto, transparecendo sua paixão e apreço não só pela sua vida, mas pela vida dos outros.

Clodualdo Fernandes de Melo, 59 anos

Era um príncipe como marido e um espetáculo como pai.

Cristian Bezerra Pereira, 45 anos

Até falando sério ele conseguia ser engraçado.

Damião Gomes da Silva, 67 anos

Era conhecido como o Rei do Açaí porque fazia o melhor da cidade.

Dário Oliveira da Silva, 69 anos

Não abria mão de uma cervejinha nos finais de semana.

Dennis Cabrera Pisango, 67 anos

Usava sapatos de bico fino tão bem lustrados, que eram quase um espelho, capaz de refletir seu largo sorriso.

Edmundo Martins de Alencar, 50 anos

Pastor e herói. Uma vida de ensinamentos.

Edvar Alírio Pachêco Alcoforado Junior, 37 anos

Um cara de luz própria.

Elias Alves de Carvalho Filho, 63 anos

Um vascaíno apaixonado que tinha a engraçada mania de colocar apelido nas pessoas especiais.

Elionaldo Bezerra de Lima, 46 anos

Teve o amor como guia em sua carreira como enfermeiro.

Elivaldo Almeida Soares, 58 anos

Elivaldo era a boa notícia que todo mundo queria receber.

Elson Ricardo Barbosa da Silva, 66 anos

Muito dedicado à família e aos amigos, sua maior qualidade era a generosidade.

Euros Bacury de Lucena, 55 anos

Euros já nasceu um guerreiro, com apenas sete meses. Tinha um jeito bruto de amar e uma alegria contagiante.

Evanice Rodrigues de Lima, 61 anos

Dona de uma personalidade radiante, adorava organizar as festas da família.

Faes Barreiros Mustafa, 69 anos

Alguém incapaz de julgar.

Felipe Pedrosa Filho, 52 anos

Foi amor, responsabilidade, paz, carinho.

Fernando Nascimento, 78 anos

Amigo, gozador e um grande contador de histórias hilárias.

Francisca Dutra de Souza, 66 anos

Só havia uma coisa maior que sua alegria ao ver a casa cheia de familiares e amigos: o seu coração.

Francisca Maria Dantas Barbosa, 57 anos

Uma pessoa boa que gostava de reunir a família e preparar comidinhas diferentes.

Francisco Azevedo, 72 anos

Alguém que trabalhou e amou todos "até o tucupi."

Francisco Fernandes Caminha, 86 anos

Quando a sua esposa estava triste, ele dançava bolero para animá-la.

Francisco Fredson da Silva Pinto, 41 anos

O melhor “pegador” de veias do hospital onde trabalhava. Cuidado, atenção e carinho eram suas marcas.

Francisco Gama Da Silva, 62 anos

Suas festas de aniversário eram um evento para muitos.

Francisco Ivã Ribeiro Maquiné, 47 anos

Tagarela que só, falava pelos cotovelos e animava qualquer lugar.

Francisco Leandro Carvalho de Jesus, 48 anos

Gostava de cerveja e pagode. Um homem afetuoso, que cuidou de suas filhas com muito zelo.

Francisco Maia Nascimento, 61 anos

Excelente pai e esposo; humano, possuía um coração enorme.

Francisco Moacir de Assis Farias, 73 anos

Pai de três filhas. Entrava tocando seu violão no quarto das meninas para acordá-las.

Francisco Nascimento da Silva, 71 anos

Um guerreiro, que do céu segue contemplando os papagaios e cuidando das anjinhas.

Frank Félix Merhi, 34 anos

Sonhador que deixou ao mundo suas maiores realizações.

Genival de Mendes Aiden, 70 anos

Amava sua nega Aristeia e gostava da casa cheia, rodeada de amor e muita música.

Geovane Reis Corrêa Rocha, 54 anos

Dizia aos netos: "Vocês são terríveis!" e os enchia de beijos .

Geraldo Nogueira Lira, 67 anos

Vivia a vida como a coleção de momentos únicos que ela é.

Gerson Carvalho, 43 anos

DJ Gerson City era só alegria e humildade.

Gledson Cristiano Reis Barauna, 44 anos

Dizia que tentava fazer o melhor que podia pelo meu semelhante.

Graça Maria Fernandes dos Santos, 42 anos

Uma mulher em estado de graça: temente a Deus, de coração acolhedor e alegria inestimável.

Helen Dias, 38 anos

Enfermeira devotada, foi uma estrela que salvou a vida de muitas pessoas.

Horacia Coutinho Caliri, 69 anos

Uma vida dedicada à família.

Humberto Marinho, 73 anos

Tinha no grande amor de sua vida um colírio para os olhos.

Ilaide Souza Pereira, 90 anos

Passarinha livre e independente, mas que não descuidava dos filhotes no ninho.

Ilza Garcia, 98 anos

Ela foi uma pessoa federal.

Ismael Raimundo, 61 anos

Um homem que acreditava no poder de um "bom dia" e que superou um câncer de intestino.

Itamar Cruz Braga, 89 anos

Cozinheiro do melhor feijão do mundo, se divertia encobrindo as peraltices dos bisnetos.

Janieire Pires Felipe, 50 anos

Uma mulher amazonense que amou ser enfermeira.

João Batista Gama, 78 anos

O amor era tão genuíno que persistiu para além da vida, João e Nildinha viajaram juntos rumo às estrelas.

João Soares Pinheiro Neto, 57 anos

Felicidade era sua filosofia de vida!

Joaquim Lopes da Silva, 82 anos

Conversava com Deus, como quem conversa com um grande amigo.

José Carlos de Carvalho Teles, 65 anos

Tinha os olhos cor de violeta que brilhavam mais do que os cristais que amava colecionar.

José da Cruz Magalhães, 69 anos

Muito brincalhão e generoso, ajudava os vizinhos, socorria doentes e mulheres grávidas.

José de Castro Palheta, 69 anos

Para ele tudo estava bom, mesmo que o mundo estivesse desabando.

José Gonzaga Bezerra, 82 anos

Quase todo domingo cochilava no banco da igreja, mas acordava na hora certa pra não marcar bobeira com o padre.

José Paula de Oliveira, 74 anos

Foi "super" em tudo que se propôs a fazer na vida.

José Pereira Mendes, 99 anos

Acreditava no sentido da família: ser unida e feliz.

José Raimundo Barauna Cardoso, 52 anos

Demonstrar amor sem diferenças e defeitos: essa era sua missão.

José Ribamar Pontes, 78 anos

Zecão da Praça 14, símbolo de resistência negra, uma vida que merece virar samba.

José Ribamar Ribeiro dos Santos, 82 anos

Aos 82 anos, ainda gostava muito de jogar futebol.

José Tarcísio Rodrigues Mendonça, 63 anos

"Vamos à luta!", dizia ele. E não apenas dizia, como também apoiava a luta dos seus.

Josias Luiz Pinto Moreira, 67 anos

Faculdade? "Com licença, por favor e obrigado", eram as formações essenciais que o Chico ensinava aos filhos.

Juvito Batalha Lucas, 87 anos

Homem de muita fé. Com a Bíblia na mão, transmitia seus ensinamentos.

Kleber Marques Paiva, 67 anos

Brincalhão e contador de piadas, gostava de baralho, dominó e matemática. Mas sua paixão mesmo, era Alciléa!

Leandro Jorge Lima Del Aguila, 44 anos

Era um cara grande. E, era um grande cara.

Lenilda da Silva Breves, 63 anos

Talento nato para contar piadas. Com vocês, Lenilda.

Leonor Mota dos Santos, 64 anos

Mulher de oração, ainda havia muitos sonhos a realizar.

Lindalva de Sousa Moura, 75 anos

Batia papo com toda a aldeia e fazia uma bela tapioca.

Lourival Calazans Torres, 84 anos

Levava a vida de maneira leve: sempre de bem com a vida e um sorriso no rosto.

Lucila Santana Alves, 77 anos

Batatinha gostava de conversar com suas plantas. Viúva, criou os 9 filhos graças ao trabalho na roça.

Lúcio Fernandes Teles da Costa, 65 anos

"Alô, Manaus!", dizia ele a todos os amigos que chegavam no seu boteco.

Luís Carlos Nobre de Albuquerque, 55 anos

Para se refrescar, preferia a sombra de um belo igarapé... Lá podia contar histórias pra todo mundo gargalhar.

Luiz Aurélio Lima Cerqueira, 50 anos

Trabalhava com turismo e fez sua última viagem em um lindo dia de domingo.

Luiz Gomes Andrade do Nascimento, 66 anos

Por onde passava, ele fazia amizades. Um de seus maiores talentos foi ser tão querido.

Luiz Wilson Vasconcelos Duarte, 57 anos

Trazia leveza ao peso da rotina.

Luzia Ribeiro Paulino, 53 anos

"No final da vida, sei onde estarei: ao lado de Deus", dizia ela.

Manoel Ferreira, 66 anos

Ajudava quem precisasse, afinal, fazer o bem foi o seu lema.

Manoel Marcos Ferreira dos Santos, 55 anos

Dava o abraço mais aconchegante e protetor que toda filha deveria sentir um dia do pai.

Manoel Morais Filho, 67 anos

Um baterista que amava tocar na igreja. Mas ele também tocou muitos corações.

Manoel Pontes Marinho, 80 anos

Sempre de chapéu Panamá e sorriso largo, era um compositor que produzia música e amor como ninguém.

Márcia Maria da Silva Leite, 50 anos

Aprendeu a dirigir para poder visitar seus amigos e parentes e levar quitutes que acabara de fazer.

Marcos Raimundo Silva Menezes, 58 anos

Luto, para ele, era verbo.

Marcos Venício Borges de Oliveira, 54 anos

Noveleiro convicto e cozinheiro de mão cheia.

Maria Auxiliadora Lima, 71 anos

A tia Auci adorava fazer comidas, quitutes e doces gostosos. Chamava as sobrinhas-filhas pra buscar.

Maria Carolina Echenique Ribeiro, 58 anos

O seu sorriso em minhas lembranças será eterno. Como eu te amo, minha mãe!

Maria das Dores Passos Ayres, 80 anos

Mulher forte e decidida. Dedicou a vida a cuidar e a dar amor ao marido e às duas filhas.

Maria das Graças da Silva Bitencourt, 67 anos

Um ser humano que transbordava amor. Uma mulher de fé. A "mainha" de muitos.

Maria de Fátima Brasil Rodrigues, 57 anos

Mulher guerreira, amante da cozinha e dona do melhor vatapá.

Maria de Nazaré de Oliveira Brito, 90 anos

Não havia momento ruim para ela.

Maria do Carmo Magalhães Taveira, 67 anos

Apaixonada pela família, louca de amor por suas netas.

Maria Estela Viana Margarido, 72 anos

Fazia o melhor doce de leite do mundo e dividia suas compras com quem precisasse, mesmo tendo pouco.

Maria Estelita Máximo, 89 anos

Sempre se cuidava, era muito vaidosa. A bolsinha era seu acessório preferido.

Maria Ferreira da Silva, 87 anos

"Maria das Invenções" inventou de descansar, afinal cumpriu sua missão.

Maria Geralda Mendes de Souza, 60 anos

Mulher guerreira, tinha, em sua família, seu alicerce.

Maria Glair Tavares Lisboa, 71 anos

Mulher de fé, trabalhadora, avó carinhosa e apaixonada por açaí.

Maria Gracy Barata da Costa, 77 anos

Sorriso, amor, generosidade e um tempero delicioso. A receita perfeita de uma avó sem igual.

Maria Lira Lemos, 67 anos

Ao fim da tarde, sua hora favorita, proseava com as amigas na frente de casa.

Maria Raimunda de Carvalho Costa, 50 anos

Mulher trabalhadora e de uma força infinita. Ela telefonava para mostrar que se importava com as pessoas.

Maria Raimunda Souza da Silva, 71 anos

Entre as memórias que deixa, estão as bonecas de pano que fazia à mão, depositando amor em cada ponto de linha de suas costuras.

Mário Bentes Braule Pinto Junior, 60 anos

Vovô Mário realizou o sonho de abrir uma escola aos 56 anos.

Marivaldo da Costa Oliveira, 42 anos

Ele dizia que ninguém é tão grande que não possa aprender, nem tão pequeno que não possa ensinar.

Miqueias Matias Fernandes, 69 anos

Homem de fé, se inspirava em Deus para dividir o que tinha e tentar tirar as dores dos que sofriam.

Moisés Nazareno Jaquino de Oliveira, 46 anos

Conseguiu ser pai e irmão da mesma pessoa.

Natalícia Sarmento Corrêa, 71 anos

Sua torta de frango tinha um cheirinho de união.

Nazaré Gama, 74 anos

Professora que nos deixou um dever de vida: exercer a paciência como chave para todas as portas.

Nei Chaves da Silva, 56 anos

Gostava de viajar pelas cidades do Brasil, passear e fazer amizades. Era um ser livre.

Nicolares Osório Curico, 46 anos

Tinha um jeito marrento, mas com o coração grande. Todos os dias falava que amava sua esposa.

Nilson Rivorêdo, 48 anos

Ele era a alegria das festas!

Nilza Jaquino da Costa, 81 anos

Plantou amor e colheu a dedicação dos filhos.

Nilze Ângela de Carvalho Cabral Marques, 82 anos

Sabedoria de 82 anos em muita simplicidade.

Nora Ney Maria Nascimento da Costa, 58 anos

Dona de um sorriso meigo, sempre andava com uma bolsa de lado, não importava aonde iria.

Odácio Bastos, 56 anos

Hoje o povo Ticuna chora uma lágrima só. | Nhuma i ticunagü arü duūgü rü wüi i autaã nüna yema.

Odineia Souza da Silva, 65 anos

Com os pés no chão, criou seus filhos. Com os joelhos no chão, conversava com Deus.

Onédia Azevedo de Lima, 80 anos

Carinhosa com todos e mulher de muita fé - Dona Onédia era o “maior amor do mundo”.

Pablo de Melo Dias, 32 anos

Aquele amigo de todos, de coração gigante.

Paula Almeida, 64 anos

"Chorar pra quê se eu posso rir?" Era assim que Tia Paula enfrentava os problemas: com um sorriso constante.

Paulo Maurício Gomes Dias, 69 anos

O resmungão mais engraçado do mundo! Sua gargalhada era muito ensolarada.

Paulo Sérgio Siqueira de Magalhães, 59 anos

Adorava acordar o mais cedo possível, principalmente aos domingos, para tomar café na estrada com sua família.

Pedro Rodrigues de Souza, 76 anos

Forte e determinado, não se deixava abalar.

Pedro Rosa de Brito, 50 anos

Amigo para todas as horas, vivia a vida com muita fé e generosidade, sempre com um sorriso estampado no rosto.

Poani Higino Pimentel Tenório, 65 anos

Um grande educador, que observava desde formigas até estrelas.

Priscila Lacerda da Silva, 27 anos

Mulher, mãe e amiga. Desde cedo pronta para a festa junina com seu batom vermelho.

Raimundo Andrade Bonifácio, 70 anos

Caboclo com orgulho, mestre de gerações, defensor do meio ambiente, da cultura indígena e das artes.

Raimundo Augusto de Jesus Belém, 63 anos

Sempre dizia aos seus filhos “te amo tanto, tanto, que nem sei o quanto”. Sonhava falar isso para futuros netos.

Raphael Freitas, 28 anos

Um amigo pra todos os momentos.

Reinaldo Teixeira da Silva, 24 anos

Animado e trabalhador, não poupava esforços em ser alegria para a família.

Ricardo Portilho da Silva, 46 anos

Um homem que amava viver.

Roberto Augusto dos Santos, 69 anos

"O Repórter Furacão" deixou seu rastro de alegria e amor por onde passou.

Robson de Souza Lopes, 43 anos

Autodidata, aprendeu sozinho a tocar teclado, sanfona e violão. Nunca tirava o sorriso do rosto.

Rodolfo Walter Garcia Arizmendi, 72 anos

Médico peruano que compensava seu forte sotaque com doçura.

Rogélio Alonso Campuzano Cachaya, 45 anos

Médico dos “pés de barro” que atuou na linha de frente contra o vírus.

Ronaldo Seixas de Morais, 55 anos

Abria a porta da escola todo dia com amor e sorrisos.

Roosevelt Guimarães Soares, 73 anos

Trabalhador como era, acordava às três da madrugada para vender melancias na feira, no centro de Manaus.

Rosalve Rodrigues da Silva, 57 anos

Flamenguista, brincalhão, um pai dedicado e marido amoroso. Para sempre o eterno cara treinado!

Rosalves de Souza, 71 anos

Mestre na arte do bem viver, era o vizinho que todo mundo queria ter.

Rubem Dário Barbosa Lima, 65 anos

Quem dá verdadeiro amor ao próximo recebe muito mais em seu coração.

Santino Xavier Breves, 67 anos

Inspirava caridade em tudo que fazia.

Sebastiana Corrêa de Azevedo, 79 anos

"Quando se é cristão, não se para de lutar até chegar ao Céu", dizia ela.

Suzete Moreira Afonso de Abreu, 50 anos

Ensinou sobre trabalho e família para os filhos; e se realizou no ensino superior.

Terezinha Bezerra da Silva, 84 anos

Tinha o corpo e a alma perfumados.

Terezinha da Silva Jansen, 78 anos

Mulher forte, autêntica, não media palavras, nem afetos. Amá-la era um desafio quase sempre prazeroso.

Tiago Sinimbu, 55 anos

Sua maior brincadeira era atribuir um sobrenome de famoso às pessoas que conhecia.

Tibúrcio Bonett de Souza, 82 anos

Mesmo com uma família grande, esse homem forte e amoroso sempre fez questão de estar perto de todos os seus.

Tílio da Costa Lopes Filho, 72 anos

Passava os domingos cozinhando, depois assistia videoclipes ou documentários até pegar no sono.

Urbano do Amaral Silva, 68 anos

Professor de matemática, somava amizades e multiplicava amor por suas netas.

Valdir Rodrigues da Silva, 63 anos

Val era reconhecido pela amplitude dos seus gestos.

Waldeir dos Santos Oliveira, 47 anos

Adorava as festas em família, onde era sempre o destaque — dançava muito e brincava com todos.

Waldemir Cavalcante Saraiva, 63 anos

Viveu para iluminar a vida do próximo e pregar a palavra de Deus.

Wanderlane Pereira de Andrade, 37 anos

O sorriso mais encantador, a gargalhada mais gostosa, a voz rouca... Uma mulher linda e fácil de amar.

Wanderley Mendonça Valentin Ferreira, 46 anos

Era transparente e tinha a habilidade inesquecível de exalar sossego.

Wilson da Costa, 84 anos

Foi homem de uma palavra só. Um ser único. Um vencedor.

Wilson Wolter Filho, 68 anos

Amava o sítio onde tomava banho de igarapé, na água cristalina e mais gelada que se tem notícia.

não há quem goste de ser número
gente merece existir em prosa